Devo vender férias para pagar dívida? Saiba se compensa e como funciona

Larissa Civita

| 5 minutos para ler

mulher loira de blusa cinza fazendo anotações e usando seu celular

Resumo da matéria

  • Como funciona a venda de férias?
  • Como funciona o cálculo da venda de férias?
  • Quais são os principais motivos que levam as pessoas a venderem as férias?
  • Juntar dinheiro para quitar dívidas
  • Ganhar dinheiro para comprar algo ou custear algo
  • Incompatibilidade de período com férias da família
  • Qual o papel do RH para motivar os funcionários a tirarem férias?
  • Avaliar se o colaborador tem muitas horas extras
  • Divulgar os benefícios de entrar em férias

Continua depois da publicidade

Muitas pessoas têm essa dúvida: será que vale a pena vender férias e pagar dívidas?

Não há uma resposta pronta e ideal que vale para todos os indivíduos. Isso porque essa questão depende da realidade e dos objetivos de cada um.

Agora, você deve estar se perguntando: por que muitos indivíduos optam por vender parte do seu período de descanso?

Existem diversas razões para isso. Entre elas estão ter uma renda extra para pagar dívidas ou mesmo comprar algo.

Em alguns casos, os indivíduos optam por vender férias pelo fato do período ser incompatível com as férias do restante da família.

Se você está interessado em vender férias, neste post explicaremos detalhadamente como isso funciona, explicaremos quais são os principais motivos que levam as pessoas a tomarem a decisão e qual o papel do RH para motivar os colaboradores a tirarem um período de descanso.

Veja a seguir.

Como funciona a venda de férias?

O trabalhador tem direito de vender até um terço das suas férias. Essa prática é conhecida como abono pecuniário e possibilita que o indivíduo possa vender até 10 dias ao empregador.

Essa característica garante mais flexibilidade e proporciona uma certa autonomia aos funcionários.

Vale destacar que esse direito está previsto no artigo 143 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Apesar da prática ser muito comum no Brasil, o empregado não pode vender mais de 10 dias de férias.

Esse limite é imposto porque há um entendimento de que o funcionário precisa realmente de um período de descanso.

Vale a pena pontuar também que o pagamento do abono pecuniário, de acordo com o artigo 145 da Consolidação das Leis do Trabalho, precisa ser feito junto com o pagamento das férias, ou seja, até dois dias antes do período de descanso.

Leia mais: Férias remuneradas… ou você toma cuidado ou elas te engolem

Como funciona o cálculo da venda de férias?

Antes de informar como funciona o cálculo da venda de férias é importante saber sobre os procedimentos que precisam ser tomados antes de poder fazer de vender as férias. 

Primeiramente é preciso comunicar a empresa com, no mínimo, 15 dias de antecedência do período aquisitivo (12 meses de trabalho), ou seja, antes de completar o direito às férias.

Na sequência, é necessário trabalhar os 10 dias vendidos normalmente. Também é possível realizar esse trabalho por meio de horas extra.

Vale lembrar ainda que serão pagos normalmente o adicional de periculosidade e adicional noturno, caso hajam.

Após esses seguintes passos, você poderá receber a grana extra e ela é muito bem-vinda, não é mesmo?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como funciona o cálculo de venda de férias, ou seja, o quanto ela receberá no total pelos dias trabalhados a mais. Não há muito segredo, pois, o cálculo é muito simples de ser feito.

Imagine que você ganhe R$ 2.000,00 por mês. Após fazer o pedido da venda de férias, o trabalhador tem direito a receber as seguintes quantias:

– pagamento de férias;

– 1/3 de adicional de férias, no mínimo;

– 10 dias trabalhados a mais;

– hora extra, adicional noturno e insalubridade, caso existam.

Continuando com o exemplo acima, vamos supor que você decida vender os 10 dias de férias, não tenha feito horas extras, trabalhe durante o dia e exerça uma função que não seja considerada insalubre. Nesse caso você terá o direito de receber os seguintes valores:

– pagamento das férias: R$2.000,00;

– adicional de férias: R$666,00;

– 10 dias trabalhados a mais: R$666,00.

No total, você terá o direito de receber R$3.332,00 pelo fato de ter vendido os 10 dias de férias, ou seja, você terá um rendimento extra de R$1.332,00 nesse mês.

Quais são os principais motivos que levam as pessoas a venderem as férias?

Existem vários motivos que levam as pessoas a venderem parte das suas férias, pois proporciona uma renda extra ao indivíduo.

Abordaremos sobre as principais questões detalhadamente na sequência do artigo. Continue abaixo.

Juntar dinheiro para quitar dívidas

De acordo com a última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada em janeiro de 2020, 65,3% das famílias brasileiras estão endividadas.

Por isso, muitas pessoas vendem parte das suas férias e buscam aproveitar esse rendimento extra com a intenção de quitar dívidas e organizar a vida financeira.

Ganhar dinheiro para comprar algo ou custear algo

Outros indivíduos utilizam a venda das férias com o intuito de adquirir um item.

Pode ser, por exemplo, um eletrodoméstico, móvel, dar entrada num veículo, entre outros.

Como no exemplo do carro, o valor pode ser insuficiente para comprar à vista.

No entanto, é possível dar um bom valor de entrada e, consequentemente, diminuir o valor a ser pago nas prestações.

Há ainda a possibilidade de usar esse recurso para custear uma despesa eventual, como a reforma da casa ou apartamento.

Incompatibilidade de período com férias da família

Muita gente opta por vender as férias pelo fato delas coincidirem em um período diferente com o tempo de descanso da família.

Nesse caso, o indivíduo opta por abrir mão de parte do período de férias e poderá juntar dinheiro com o intuito de programar algo especial com as pessoas queridas.

Pode ser, por exemplo, uma viagem internacional, um passeio, uma grande festa.

Qual o papel do RH para motivar os funcionários a tirarem férias?

O departamento de recursos humanos é de importância fundamental para as empresas e os funcionários.

Os profissionais dessa área avaliam se o colaborador tem muitas horas extras e os incentivam a tirar um período de descanso.

dois homens se cumprimentando dentro de escritório

Leia mais: 6 passos para você vencer a crise, quitar as dívidas e voltar a ter prosperidade

Avaliar se o colaborador tem muitas horas extras

Primeiramente, os profissionais do RH avaliam se os funcionários estão com muitas horas extras.

Caso esse valor esteja muito alto não é um bom sinal, porque há o risco do colaborar estar muito desgastado e sofrer um esgotamento profissional.

Divulgar os benefícios de entrar em férias

Há vários pontos positivos de entrar em férias. Esse período pode ser aproveitado para descansar, manter o contato com a família, adquirir novos conhecimentos, entre outras coisas. Também é função do profissional do RH divulgar esses benefícios.

A venda de férias apresenta alguns pontos positivos e, por isso, os trabalhadores optam por vender os 10 dias dos quais têm direito.

Entre as principais ações estão pagamento de dívidas, compras eventuais e a incompatibilidade do período de férias da família.

No entanto, é preciso pesar se a renda extra compensa o menor período de férias. Converse com seu departamento de RH a respeito.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *