Aprenda como renegociar cheque especial

Larissa Civita

| 4 minutos para ler

aperto de mãos após acordo em renegociação

Continua depois da publicidade

Descubra por que esse é o juros mais alto do mercado e como você pode renegociá-lo.

Se você nunca precisou de um crédito rápido do banco para alguma emergência no final do mês, parabéns, a sua saúde financeira está exemplar. Mas, infelizmente essa não é a realidade de muitos brasileiros e alguns deles estão agora tentando renegociar cheque especial.

Uma pesquisa divulgada em 2019 pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e que ouviu mais de 800 pessoas para traçar o perfil de quem usa cheque especial, mostrou que 40% deles fazem isso todos os meses.

O cheque especial é uma linha de crédito pré-aprovada que está disponível na sua conta corrente.

Uma vez que ela está disponível para você, não é necessário fazer nenhuma solicitação, você só cai automaticamente nela quando não tem saldo suficiente para sustentar os gastos na sua conta.

Ainda segundo o levantamento, 20% dos consumidores admitem terem usado o limite ao menos uma vez nos últimos 12 meses.

Além disso, a pesquisa mostra também que os mais ricos também usam essa linha: 26% dos usuários são das classes A e B, contra 18% das classes mais baixas.

Mas, por que é ruim estar sempre usando o cheque especial? É que a taxa de juros dessa modalidade é considerada a taxa de juros mais alta entre as opções de crédito do mercado, até o ano passado ela chegava a mais de 300% ao ano.

Isso acontece por causa da liberdade que o cliente tem em adquirir aquele crédito extra.

O banco não te pergunta muito e nem impõe muitas garantias para te emprestar esse dinheiro, não é mesmo?

Sem burocracia, sem avaliações, sem pedidos ou contratos. Você pega e usa quando quiser.

Desse jeito, as chances de você voltar para essa situação é sempre constante, já reparou?

Eles contam com a sua falta de planejamento e com o seu descontrole para sempre estar ali, voltando para aquela dívida. Assim, com juros elevados, sua dívida vai acumular e logo você estará no papel de renegociar.

homem puxando os bolsos para fora  mostrando que está sem dinheiro

Leia mais: Reserva de emergência: por que você precisa ter uma?

O Cheque Especial Mudou Em 2020

Em janeiro de 2020, no entanto, entrou em vigor uma regulamentação do Banco Central para as taxas aplicadas no Cheque Especial.

As novas regras limitam os juros a 150% ao ano para pessoas físicas e microempreendedores individuais (MEI).

Os bancos estão liberados ainda para cobrar uma taxa de 0,25% em linhas de crédito acima de R$ 500.

Essa taxa para manter aberta a linha de crédito, mesmo que o serviço não esteja sendo utilizado, já pode ser cobrada para limites liberados a partir de agora. Já os limites que estavam ativos antes da medida ser aprovada só poderão começar a ser cobrados a partir do dia 1º de junho.

Lembra que ali em cima dissemos que antes os juros podiam chegar a mais 300% ao ano?

O Banco Central precisou intervir para amenizar os juros dessa modalidade, já que eles não caíram no mesmo ritmo da taxa básica da economia (Selic), atualmente, em 4,5% ao ano – sua maior baixa histórica.

Essa mudança tem tido um efeito curioso entre os grandes bancos. Na intenção de se tornarem competitivos, alguns deles já anunciaram que não vão cobrar a taxa de 0,25% ainda, até porque existem muitos bancos digitais que sequer cobram taxas comuns nos tradicionais, como saque, manutenção, entre outros.

Um adendo para essa nova taxa é que por mais que ela tenha diminuído, ainda vai ultrapassar os 150% ao ano, uma vez que existem tributos – como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) – que não estão incluídos nesse novo limite imposto pelo BC.

Por isso, todo cuidado é pouco para não ter surpresas.

Na prática, mesmo com essas mudanças, o cheque especial continua sendo uma armadilha, veja o exemplo a seguir.

Digamos que você use R$ 1.000 do seu limite pré-aprovado, em um ano a sua dívida vai crescer mais de 2,5 vezes. Ela pode chegar a R$ 2.518,17 mil – cerca de R$ 1.518,17 mil desse valor é só o que você vai pagar de juros.

assinatura de cheque

Leia mais: Seguro Desemprego: Consulta, Cálculo e mais!

Minha dívida virou uma bola de neve. Como renegociar cheque especial?

O primeiro passo para renegociar cheque especial e resolver essa situação é conversar com o seu gerente. Numa conversa franca, vocês podem chegar a números que sejam satisfatórios para o banco que precisa receber a dívida e você que precisa pagar.

De uma só vez você recupera a sua credibilidade com a instituição e passa a ter condições de honrar o seu compromisso.

Mas, avalie mais uma vez a possibilidade de quitar tudo à vista, você pode ter um desconto maior do que teria em um parcelamento.

Como já te falamos antes, o juros do cheque especial são os mais altos, por isso pode valer a pena procurar uma alternativa mais vantajosa, como um empréstimo pessoal com taxas mais convidativas.

Trocar de dívidas pode ser sua melhor opção.

No Bom Pra Crédito, por exemplo, dá para simular os tipos de empréstimos que você vai precisar, com as parcelas que pode pagar.

Além de ter a possibilidade de comparar os juros de mais de 30 instituições financeiras.

Tudo também pode ser feito totalmente online, com respostas rápidas e condições que se enquadram na sua realidade financeira. Teste agora mesmo e renegocie sua dívida do cheque especial.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *