Renda fixa: o que é e como você pode utilizar ao seu favor

Larissa Carvalho

| 4 minutos para ler

mulher colocando uma moeda em um cofrinho de porco, apoiada em uma mesa

Continua depois da publicidade

premio reclame aqui 2020

Saiba o que significa este termo que você já ouviu falar tantas vezes!

Renda fixa. Está aí um termo que você provavelmente viu algumas vezes, seja em vídeos no YouTube, posts nas redes sociais, matérias em portais de conteúdo ou mesmo nas conversas com amigos.

Mas, afinal de contas, o que ele quer dizer?

Ainda que não seja um grande especialista em finanças, já deve ter percebido que é alguma coisa relacionada a investimentos, mas mesmo com o termo “fixa” no nome, há algumas diferenças importantes que precisa saber para entendê-la.

Além de saber o que é, nós também vamos falar sobre como ela pode te ajudar a ganhar mais dinheiro, o que sempre é bem-vindo. Vamos nessa!

O que é renda fixa?

É uma modalidade de investimento que tem rentabilidade previsível, seja ela fixada a algum percentual já conhecido no momento do investimento ou a um indexador da economia.

Seu funcionamento é o oposto do que acontece com outras modalidades de investimento, como na bolsa de valores, em que a rentabilidade é variável e pode, inclusive, trazer desvalorizações.

Por ser uma modalidade de investimento segura e sem grandes surpresas, ela é bastante indicada para quem quer ingressar neste universo ou fazer uma reserva de emergência sem ficar com a tensão que geralmente costuma acompanhar o mercado de ações.

Alguns dos índices em que seu rendimento pode estar fixado são os seguintes:

  • CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro): é a média dos juros das operações de empréstimo feitas entre os bancos, as quais têm um prazo bem curto.
  • Inflação: é a média do aumento dos preços de um conjunto de bens e serviços em um período específico.
  • Taxa Selic (Sistema Especial de Liquidação de Custódia): conhecida como a taxa básica de juros da economia brasileira. Consiste em um sistema do Banco Central que visa controlar a inflação.

Por ter essas características, o funcionamento da renda fixa é bastante parecido com o de um empréstimo para o emissor da aplicação, que pode ser um banco, uma empresa ou até mesmo o Governo Federal.

Quanto rende a renda fixa?

Depende de sua modalidade e do índice a que a aplicação estiver fixada.

Pois é, por mais engraçado que possa parecer, não há um valor fixo de rendimento para a renda fixa.

O que existe é uma taxa a que ela está fixada, a qual já é conhecida no momento em que se faz a aquisição do título.

Se ela estiver atrelada ao CDI, seu valor variará de acordo com as oscilações do CDI; caso esteja fixada à taxa Selic, o rendimento dependerá de como está a taxa; e assim sucessivamente para os demais indicadores.

Porém, existem diferentes modalidades de títulos, o que impacta diretamente na forma que o dinheiro rende.

É importante saber quais são elas para evitar surpresas no momento do resgate.

mulher segurando um cofrinho de porco de frente.

Quais são as modalidades de renda fixa?

Elas se dividem entre títulos pré-fixados, pós-fixados e híbridos, que possuem as seguintes características:

  • Títulos pré-fixados: apresentam uma taxa de rentabilidade fixa. Por exemplo, se ela for de 9,5% no momento da aquisição, essa mesma taxa se manterá até o vencimento, independentemente do que acontecer no mercado. A segurança é maior, já que você evita surpresas no momento do resgate.
  • Títulos pós-fixados: são aqueles que têm sua taxa atrelada a um indicador como o CDI e a taxa Selic, cujos valores variam com o passar do tempo. Se o título prometer 115% da taxa Selic, por exemplo, você pode acompanhar a evolução da taxa para saber qual será o rendimento, mas o valor final só será conhecido no resgate. A modalidade é um pouco mais arriscada que a anterior.
  • Títulos híbridos: mesclam as características dos pré-fixados e pós-fixados. Por exemplo, o valor pode ser de 3,8% + Selic, sendo que a porcentagem fixa e o valor da taxa acompanha seu comportamento no mercado.

Pode-se dizer que todas as opções são conservadoras, embora os títulos pós-fixados e híbridos sejam indicados para quem tem um perfil mais arrojado ou quer fazer um investimento de teste para, então, partir para opções com maiores riscos envolvidos, como fundos imobiliários ou ações.

Quais são os investimentos de renda fixa?

Dentro desta modalidade, há diferentes aplicações que podem ser escolhidas de acordo com o seu perfil ou interesse. Veja só:

  • CDB (Certificado de Depósito Bancário): título de renda fixa emitido por bancos, cuja rentabilidade geralmente está ligada ao CDI.
  • CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) / CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio): aplicações emitidas por securitizadoras, cujo potencial de rendimento geralmente é alto, embora trate-se um investimento arrojado.
  • Debêntures: títulos emitidos por empresas, na maioria das vezes para pagar dívidas ou financiar projetos diversos.
  • LCI (Letra de Crédito Imobiliária) / LCA (Letra de Crédito do Agronegócio): aplicações bem parecidas com o CDB, mas são isentas de tributos e do imposto de renda, ou seja, o rendimento é todo seu.
  • Letras de câmbio: similares ao CDB, mas emitidas por financeiras ao invés de bancos. A rentabilidade tende a ser maior e há algum risco envolvido.
  • Poupança: aplicação de renda fixa mais conhecida, mas também a menos atrativa, já que sua rentabilidade é bem menor que das demais opções.
  • Tesouro direto: investimento emitido pelo governo, com valores destinados a investimentos em educação, saúde e infraestrutura. 

Vale a pena investir em renda fixa?

Com certeza! Essa modalidade é a melhor para quem ainda não tem tanta experiência no mundo dos investimentos, embora também possa ser escolhida por quem já tem algum conhecimento, como para construir reservas de emergência sólidas e de baixa volatilidade.

A variedade dos títulos oferecidos permite que você comece pelos menos arriscados, como tesouro direto e CDB, e depois passe para outras opções mais arrojadas, como letras de câmbio, CRI e CRA.

Ah, não é preciso de muito dinheiro para começar, viu? Com menos de R$ 50 já é possível investir em várias opções entre os títulos que comentamos.

A renda fixa é uma bela oportunidade de fazer o seu dinheiro trabalhar por você.

Mesmo que a rentabilidade tenda a ser menor que de outros investimentos, os riscos corridos são bem menores.

Seja para fazer sua reserva financeira, trocar de carro ou guardar dinheiro para realizar o sonho da casa própria, os títulos de renda fixa são uma ótima pedida.

E aí, que tal dar o primeiro passo no mundo dos investimentos hoje mesmo?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *