Juros Simples: O que é, Fórmula, Como Calcular e Exercícios

Larissa Carvalho

| 10 minutos para ler

Juros Simples O que é, Fórmula, Como Calcular e Exercícios

Continua depois da publicidade

Se você acha que calcular os juros simples é um bicho de sete cabeças, já pode mudar de ideia! A conta é mais simples do que você imagina e pode evitar que você sofra muitas dores de cabeça.

A seguir, saiba mais sobre os juros simples, qual fórmula utilizar para fazer o cálculo, porque ele é diferente dos juros compostos e tudo com exemplos simples, reais e fáceis de entender. Confira!

O que são juros? Significado

Juro é o acréscimo que incide sobre uma determinada quantia que foi emprestada, seja por instituições financeiras ou por parentes e amigos. O juro pode ser simples ou composto. 

Os juros também são aqueles valores que pagamos a mais quando atrasamos o pagamento de algum boleto.

Os juros aplicados sobre empréstimos realizados são uma forma das financeiras serem recompensadas por disponibilizarem aquele dinheiro. Também é uma certa segurança para elas, caso o solicitante não realize o pagamento dentro do prazo acordado.

Dessa forma, para reduzir o risco de inadimplência e não pagamento, quem realiza o empréstimo aplica uma taxa de juros sobre o valor que foi ofertado.

Quais os tipos de juros mais comuns?

Quais os tipos de juros mais comuns

Existem dois tipos de juros mais comuns: juros simples e juros compostos.

Juros Simples – Conceito

Os juros simples são aqueles que incidem sobre o valor principal inicial. Ou seja, a taxa de juros é aplicada em cima da quantia original que foi emprestada ou investida.

Juros Compostos – Conceito

Os juros compostos também são chamados de juros sobre juros. Eles incidem sobre o dinheiro modificado pelos juros no final de cada período. Para saber mais sobre ele, leia o conteúdo completo sobre como calcular juros compostos em nosso blog! 

Diferenças entre juros simples e composto

Juros simples e juros compostos não são a mesma coisa. A principal diferença entre eles é justamente o valor do capital que, nos juros simples, não sofre alteração, a não ser no final. 

Já nos juros compostos, o capital é modificado a cada mês, com o acréscimo dos juros do mês anterior.

Os juros simples oferecem um acréscimo de forma constante. Uma taxa de juros de 10% ao mês que incide sobre R$ 200,00, renderá o valor de R$ 20,00 por mês, durante o período estipulado. Esse valor não muda.

Enquanto isso, os juros compostos possuem uma soma de forma exponencial, com ritmo acelerado. Ou seja, crescem mais rapidamente a cada mês, resultando em um valor maior no final de tudo.

Pegando o exemplo anterior, uma taxa de 10% de juros compostos ao mês em cima de R$ 200,00, renderá R$ 20,00 no primeiro mês. No segundo mês, o valor sobe para R$ 22,00, porque os juros cairão sobre o valor principal mais os 10% de juros, ou seja, R$ 220,00.

Isso quer dizer que transações financeiras que possuem taxas de juros compostos custam bem mais ao consumidor do que aquelas realizadas com taxas de juros simples.

Como sair das dívidas de juros altos

Como sair das dívidas de juros altos

Os juros altos são os grandes vilões das dívidas adquiridas. Em muitos casos, os juros se tornam maiores até do que o valor original do produto. É o que acontece quando são utilizados os juros compostos nas transações.

Dívidas de cartão de crédito, por exemplo, são as piores. Por não conseguir pagar a fatura por completo, a pessoa deixa uma parte para o mês seguinte que virá acrescido de juros mais as parcelas de compras já realizadas nos meses anteriores.

Assim, mais uma vez, a pessoa não consegue quitar o valor total da fatura. Os juros viram uma bola de neve e o consumidor se torna um inadimplente, ou seja, não conseguiu honrar os seus compromissos com a dívida adquirida.

Como fazer para fugir das dívidas de juros altos? O melhor é não contrair dívidas, principalmente aquelas que possuem alta taxa de juros. Mas se você já está endividado, precisa se livrar o mais rápido possível.

Quanto mais o tempo passar, mais dinheiro você vai gastar com o crescimento dos juros. Uma dica muito recomendada por especialistas no assunto, é contrair uma dívida boa para se livrar de uma dívida ruim.

Ou seja, você pode contratar um empréstimo pessoal que oferece juros bem mais baixos e, com esse dinheiro, pagar a dívida que tem juros maiores.

Mesmo que você tenha que pagar as parcelas do empréstimo mensalmente, ainda assim, elas serão menores do que as parcelas para quitar a fatura do cartão de crédito

Sem contar que, com o dinheiro todo em mãos, você pode entrar em contato com o banco responsável pelo cartão e solicitar um desconto no valor total da conta, já que ela será paga por completo com o empréstimo que você fez.

Os juros compostos são usados em empréstimos, dívidas e investimentos?

Os juros compostos são usados em empréstimos, dívidas e investimentos

Na verdade, em quase todas as operações financeiras são utilizados os juros compostos. Além de empréstimos bancários, podemos listar também as compras realizadas no cartão de crédito e os muitos tipos de financiamento.

É por esse motivo que as dívidas de cartão de crédito, por exemplo, crescem de uma maneira espantosa. 

Em poucos meses de inadimplência, o valor da sua fatura pode ter o valor aumentado em proporções que você simplesmente não tem mais como arcar.

São dívidas que devem ser evitadas a todo custo e, no caso de já existirem, devem ser as primeiras quitadas para que não virem uma bola de neve sem proporções.

Felizmente, os investimentos também usam o sistema de juros compostos. Portanto, para os investidores, essa é uma ótima opção para fazer o dinheiro trabalhar e render sem precisar fazer nada, apenas aplicar a quantia, esperar e avaliar os resultados.

Também é por isso que muitos investidores aumentam o patrimônio deles rapidamente. Certamente, fizeram uma ótima aplicação e, com a ajuda dos juros compostos, conseguiram ganhar bastante dinheiro.

Quais operações financeiras utilizam os juros simples?

Quais operações financeiras utilizam os juros simples

Apenas aplicações de curto prazo, desconto de duplicatas e alguns tipos de contrato de aluguel de imóveis utilizam juros simples em suas transações. Por não oferecerem muitos rendimentos, os bancos optam pelos juros compostos.

Fórmula para calcular juros simples

J = Juros

P = Principal ou Capital

I = Taxa

N = Tempo ou Período

A fórmula para calcular juros simples é a seguinte: J = P * I * N, que também pode ser lida como “Juros é igual ao capital multiplicado pela taxa e pelo tempo utilizado na transação”. 

Exemplo

Veja um exemplo simples para você entender a aplicação da fórmula para o cálculo dos juros simples. Suponha que você esteja passando por algumas dificuldades financeiras e resolve pedir um empréstimo a um amigo no valor de R$ 500,00.

O amigo decide fazer o empréstimo, mas decide cobrar juros de 5% ao mês e lhe dá o prazo de 6 meses para fazer o pagamento. Como saber quanto você vai pagar no final deste semestre? Aplique todos os dados na fórmula do juro simples. Veja:

Fórmula: J = P *I * N.

Assim, temos:

J= ?

P = 500

I = 0,05 (5%)

N = 6 meses

J = 500 * 0,05 * 6 

J = 31,00. 

Ou seja, você vai pagar a cada mês R$ 31,00 de juros. Multiplicado por 6, que é o seu prazo de pagamento, o total de juros será no valor de R$ 186,00.

Fórmula para calcular o montante de juros simples

A partir da fórmula dos juros simples, podemos deduzir outra que define o valor pago no final do empréstimo, já com a incidência de juros. A fórmula é a seguinte: M = J + P, que podemos ler como “Montante é igual aos juros mais o valor principal”.

M = Montante

J = Juros

P = Valor Principal ou Capital que Foi Emprestado

Exemplo

Voltando ao exemplo acima em que você pede R$ 500,00 emprestado ao seu amigo e paga R$ 31,00 por mês de juros, podemos calcular o valor final a ser pago com a fórmula do montante. Veja:

M = 186 + 500

M = 686. 

Portanto, você pediu R$ 500,00 emprestado a um amigo e terá que pagar a ele R$ 686 em um período de 6 meses.

Perguntas relacionadas a juros simples

Perguntas relacionadas a juros simples

Além de compreender a fórmula básica dos juros simples, algumas dúvidas ainda pairam na cabeça das pessoas que precisam lidar diariamente com o assunto. 

O que é rendimento em juros simples?

O rendimento em juros simples nada mais é do que o lucro sobre o dinheiro emprestado. Esse rendimento é determinado de acordo com a taxa de juros escolhida e o período que será dedicado ao pagamento daquele valor concedido.

Se você pega um empréstimo de R$ 100,00 e vai pagá-lo com 20% de juros ao mês em 2 meses, o rendimento em juros simples será de R$ 20,00 no primeiro mês e mais R$ 20,00 no segundo mês, totalizando R$ 40,00 de rendimento.

Quem emprestou R$ 100,00 vai receber R$ 140,00.

É muito fácil fazer o cálculo dos juros simples usando apenas caneta e papel e aplicando a fórmula que você conheceu no início deste artigo. Mas, para quem trabalha diretamente com matemática financeira, fazer cálculos a mão pode ser mais demorado e está mais sujeito a erros.

Por isso, você verá a seguir duas maneiras de calcular juros simples usando a planilha do Excel e a boa e velha calculadora.

Como calcular juros simples no Excel?

Como calcular juros simples no Excel

O cálculo dos juros simples no Excel é feito por meio de uma fórmula que só é um pouco diferente do que a fórmula que vimos neste artigo. É a seguinte:

F = P *J * N

F: Valor Final

P: Capital Investido ou Emprestado

J: Taxa de Juros

N: Período Utilizado, que pode ser mês ou ano

Na primeira coluna (A), você vai colocar os itens da fórmula na seguinte ordem: P, J, N, F. Um abaixo do outro. Na coluna ao lado (B), adicione o valor respectivo de cada item.

Após lançar os dados, faça a multiplicação das células B1, B2 e B3 na célula F (valor final). É muito simples. Na célula dedicada ao valor final, insira = B1 * B2 * B3 e aperte a tecla Enter. O resultado é a quantidade de juros que será pago no final, que no caso é R$ 30,00.

Assim, R$ 100,00 aplicados a uma taxa de juros de 5% mensais durante 6 meses gera um retorno de R$ 5,00 ao mês. Como o valor final refere-se à 6 meses, basta multiplicar R$ 5,00 vezes 6 e você obtém R$ 30,00.

Perceba que o cálculo é o mesmo quando você faz usando caneta e papel. Isto é, basta multiplicar o valor principal, a taxa de juros e o tempo decorrido. 

A diferença é que no papel você precisa retirar o símbolo da taxa e acrescentar as casas decimais, pois 5% é o mesmo que 5 dividido por 100 cujo resultado é 0,05. E, claro, o cálculo é feito mais rapidamente.

Para saber o valor total que será pago, adicione uma célula logo abaixo do F (Valor Final) e escreva Pagamento Total. Agora, basta somar o valor principal com os juros decorridos. No Excel você irá somar as colunas B1 e B4. Insira = B1 + B4 e aperte a tecla Enter.

Assim como vimos na fórmula do montante, (M = J + P), para saber o valor final, basta adicionar os juros ao valor principal.

Como calcular juros simples usando uma calculadora?

Como calcular juros simples usando uma calculadora

Quem não usa a planilha do Excel para fazer cálculos, mas usa a calculadora, também não terá dificuldades. Veja como funciona:

Antes de tudo, você precisa saber de forma precisa todas as variáveis: valor principal, taxa de juros e período de tempo. Também não se esqueça de converter a taxa para um número decimal, assim como fizemos no exemplo anterior.

Se a taxa de juros for de 15%, por exemplo, divida 15 por 100 e terá o seguinte valor: 0,15. Esse valor é que vai entrar no seu cálculo na calculadora. Veja um exemplo. Imagine que você resolveu investir R$ 800,00 a uma taxa de juros de 15% ao mês, por um período de 12 meses.

Você vai seguir a mesma fórmula do cálculo dos juros simples (J = P * I *N) para descobrir quanto irá lucrar. Substituindo as letras da fórmula pelos dados do exemplo, nós temos: J = 800 * 0,15 *12.

Na calculadora, você vai digitar o número 800 que é o valor principal e a letra x, de multiplicação. Em seguida digite o número 0,15, que é a taxa, mais uma vez digite a letra x e, por fim, digite o número 12 que é o período. O resultado são os juros simples que, nesse caso, alcançam o valor de R$ 1.440,00 por ano ou R$ 120,00 por mês.

Para saber o valor total do investimento, basta somar o valor principal (R$ 800,00) com o valor dos juros (RS 1.440,00). O resultado será R$ 2.240,00.

Quais as diferenças entre taxa de juros nominal e real?

Outra dúvida pertinente é a respeito da taxa de juros nominal e real. Você sabe o que esses termos significam? Saiba a definição de cada um a seguir.

Primeiro, é preciso saber que tanto a taxa de juros nominal quanto a taxa de juros real estão presentes em muitas operações financeiras, como os investimentos, contratos imobiliários e financiamentos. No entanto, são conceitos diferentes um do outro.

A taxa nominal é aquele valor determinado durante a realização de um contrato financeiro. É de fácil identificação. Por exemplo: você sabe que um tipo de investimento possui uma taxa de 20% de remuneração ao mês. Essa taxa é chamada de taxa nominal.

Já a taxa real de juros, é aquela que, de fato, vai influenciar no dinheiro que foi investido. A taxa real tem remuneração acima da inflação. A inflação pode ser definida como o aumento dos preços.

Se a taxa real render abaixo da inflação, dizemos que houve queda no poder de compra. Já se a taxa real for acima da inflação, quer dizer que o poder de compra aumentou.

Podemos dizer, então, que a taxa nominal é a junção da taxa real com a inflação, afinal de contas, os investimentos existem para realmente aumentar o seu poder de compra, gerar lucro, embora tenha que lidar com o aumento da inflação de vez em quando.

Conclusão

Conclusão

Como você viu, calcular os juros simples de uma transação financeira não é tão difícil quanto possa parecer. Se você não conseguiu absorver esse assunto na escola, certamente aprendeu um pouco no artigo de hoje.

Além de fazer os cálculos usando os tradicionais papel e caneta, você também pode fazer essa conta usando a calculadora, inclusive do celular, e uma planilha do Excel ou outro gerenciador de planilhas disponível no seu computador.

E se você está sofrendo com a incidência dos juros simples nas suas dívidas e precisa de dinheiro para fazer pagamentos, o Bom Pra Crédito pode ajudar. Conheça o nosso Empréstimo Pessoal, faça uma simulação e fique longe das dívidas!