Glossário financeiro, 25 termos que você deve entender

Larissa Carvalho

| 5 minutos para ler

em uma mesa branca estão um par de óculos junto de um laptop,um caderno, uma caneta e um despertador

Resumo da matéria

  • 1. Perfil do investidor
  • 2. Rentabilidade
  • 3. Renda fixa
  • 4. Renda variável
  • 5. Carteira de ativos
  • 6. Ações
  • 7. Alíquota
  • 8. Ativo
  • 9.Passivo
  • 10. Amortização
  • 11. Corretora de Valores
  • 12. Taxa Selic
  • 13. CDI
  • 14. IGPM
  • 15. IPCA
  • 16. Custódia
  • 17. Fundo Garantidor de Crédito
  • 18. Cotação
  • 19. CETIP
  • 20. Come-Cotas
  • 21. Liquidez
  • 22. Volatilidade
  • 23. Commodities
  • 24. Alavancagem
  • 25. Day Trade

Continua depois da publicidade

O mundo das finanças pode ser uma verdadeira sopa de letrinhas para quem não está habituado com as gírias mercado financeiro

Rentabilidade, renda fixa, renda variável, carteira de ativos e mais uma infinidade de termos são conhecidos como os jargões do mercado financeiro. Para quem não está habituado, tudo isso soa estranho e parece confuso, não é mesmo? Para te ajudar, o Bom pra Crédito preparou um glossário financeiro com 25 termos usados por traders. Acompanhe!

1. Perfil do investidor

Dividido em três perfis (conservador, moderado ou agressivo/arrojado), é definido de acordo com a tolerância do investidor ao risco.

Para isso, os bancos e corretoras de valores costumam fazer alguns questionamentos, como:

  • Situação financeira (renda e patrimônio) do investidor;
  • Idade;
  • Conhecimento sobre o mercado financeiro;
  • Objetivos com as aplicações;
  • Tolerância aos riscos.

2. Rentabilidade

Um dos termos mais importantes do glossário financeiro e presentes no mercado, a rentabilidade diz respeito ao retorno sobre qualquer investimento realizado.

Normalmente, a rentabilidade é definida em números percentuais, como 10% ou 15% ao ano.

Também pode ser pós ou pré-fixada, sempre atrelada aos índices da inflação (IPCA) ou apenas à valorização daquele determinado título de investimento (mais comum no mercado de ações).

3. Renda fixa

Uma das modalidades de investimentos mais procurada pelos brasileiros, a renda fixa é muito indicada para os iniciantes que têm um perfil mais conservador.

São diversos os títulos de renda fixa (tanto públicos quanto privados). Podemos destacar os seguintes:

  • Tesouro Direto
  • CDB (Certificado de Depósito Bancário)
  • LCIs / LCAs

4. Renda variável

Muito mais difícil de prever a rentabilidade do que qualquer fundo de renda fixa, os ativos de renda variável são aqueles que têm mais risco agregado, ou seja, o investidor pode perder dinheiro com eles.

Entretanto, também são esses ativos que oferecem rentabilidades mais atrativas.

Por isso é muito importante entender que quanto maior for o risco da operação, maiores são as chances de um ótimo retorno sobre o investimento. 

5. Carteira de ativos

Este termo do glossário financeiro também é muito importante, pois te ajuda a organizar seus investimentos!

É o conjunto de aplicações que uma pessoa possui. Depois de definir o perfil de investidor, é importante montar uma carteira de ativos diversificada, reduzindo riscos e tendo mais segurança no retorno de suas operações.

E como diversificar a carteira?  Investindo tanto em títulos da renda fixa quanto nos de renda variável, escolhendo fundos com prazos de vencimento diferentes.

mulher de camisa cinza sentada a uma mesa com uma calculadora faz anotações em uma planilha de papel

Não perca: Mercado financeiro brasileiro, o que esperar

6. Ações

Uma ação é uma fração do capital social de uma empresa. Ou seja, ao investir em ações de grandes companhias, o investidor está adquirindo uma pequena parte dessas empresas. 

7. Alíquota

A alíquota é um percentual utilizado no cálculo do valor de algum tipo de imposto, como por exemplo o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que tem alíquotas pré-definidas pelos governos estaduais para cada tipo de produto ou serviço, incluindo os investimentos.

8. Ativo

Um ativo é um bem que uma organização ou pessoa possui. Ou seja, tudo o que pode ter algum valor e pode ser seguido de outras classificações, como:

  • Ativos permanentes: são os bônus e ações
  • Ativos fixos: podem ser prédios, terrenos e direitos autorais, entre outros
  • Ativo diferido: são as aplicações em pesquisas e projetos, por exemplo

9. Passivo

É a somatória de gastos, divididos em categorias:

  • Passivo circulante: as contas e impostos a pagar
  • Passivos a longo prazo: as hipotecas e letras de câmbio
  • Resultados de Exercícios futuros: todo dinheiro que possa ser recebido de maneira adiantada.

10. Amortização

A amortização nada mais é do que a redução gradual de uma dívida por meio de pagamentos feitos de maneira periódica.

11. Corretora de Valores

Instituição financeira que faz a ponte entre o investidor e o mercado financeiro, oferecendo ativos disponíveis para investimento e sendo responsável por processar ordens de compra e venda de ativos. 

12. Taxa Selic

Definida pelo Copom, a Selic é a taxa básica de juros do Brasil, que influencia diretamente na inflação e no crédito, pois rege os juros do mercado interbancário.

13. CDI

Certificado de Depósito Interbancário, o CDI é um dos principais indexadores dos ativos do mercado e seu valor costuma acompanhar a Selic. É utilizado como referência para o cálculo de rendimento de CDBs, LCIs e LCAs.

14. IGPM

O Índice Geral de Preços de Mercado registra a inflação do país e é baseado nos preços que são coletados entre os dias 21 do mês anterior e o dia 20 do mês vigente.

15. IPCA

O IPCA é o índice utilizado para medir a inflação do país. Esse valor é calculado pelo IBGE.

16. Custódia

dois homens de terno em uma sala avalisando gráficos em barra azul em seus computadores

Confira também: Como funciona a Bolsa de Valores

Nada mais é do que a guarda e o exercício de direitos sobre títulos e valores depositados em nome do investidor.

17. Fundo Garantidor de Crédito

O FGC é uma instituição privada que protege os investidores em caso de falência, liquidação ou alguma intervenção do emissor de um ativo.

18. Cotação

A cotação é um valor fixado pelas cotações das ações, fundos de investimento e moedas estrangeiras.

19. CETIP

É a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos, em outras palavras, é a instituição integradora do mercado financeiro e a responsável por oferecer serviços de registros, negociação e liquidação de ativos financeiros e títulos.

20. Come-Cotas

O Come-Cotas é o termo utilizado para descrever um momento não muito desejado pelos investidores: a antecipação do recolhimento do IR relativo aos fundos de investimento.

21. Liquidez

Também um dos termos mais utilizados no mercado financeiro, a liquidez faz referência à facilidade que uma aplicação tem de ser convertida em dinheiro.

22. Volatilidade

É a velocidade da variação da cotação de um determinado ativo dentro de um período específico.

23. Commodities

“Commodities” ou insumos “in natura”,  são opções de investimentos em matérias-primas que podem passar por algum processo industrial para aumentar sua duração.

24. Alavancagem

A alavancagem é utilizada para fazer investimento com valores maiores do que um investidor conseguirá fazer sozinho e é muito utilizada na renda variável.

imagem vista de cima de uma mesa com gráficos rodeada por quatro pessoas

Para ajudar: Mercado de ações e tudo o que você precisa saber para começar a investir nele

25. Day Trade

É uma operação de prazo muito curto com compra e venda do ativo no mesmo pregão.

Com essas dicas e com nosso glossário financeiro, esperamos ter ajudado no seu ingresso dentro do mercado de investimentos! Ah, e se está aqui atrás de um empréstimo pessoal, conte conosco!

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Avatar

    Rafael Dantas

    Opa tudo bem? Parabéns pelo site suas dicas realmente são
    úteis. Estou começando no markting digital e com seu artigo
    já tenho uma boa ideia do que fazer. Valeu!

    Responder