Financiamento da casa própria. O novo modelo é corrigido pela poupança. Vale a pena?

Larissa Carvalho

| 3 minutos para ler

homem de camisa segurando casa em miniatura e molho de chaves nas mãos

Resumo da matéria

  • Do que se trata o novo financiamento da casa própria?
  • Como o novo financiamento funciona?
  • Vale ou não a pena pedir o novo financiamento imobiliário?

Continua depois da publicidade

Entenda do que se trata o novo financiamento da casa própria e descubra se esse é o melhor caminho para realizar seu sonho de ter um lar

De acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), em 2020, os financiamentos imobiliários cresceram 74,4%. Em agosto, eles atingiram a faixa dos R$11,7 bilhões.

Essas informações são importantes para que a gente pense na quantidade de pessoas que estão fazendo financiamento da casa própria. Se você está procurando uma boa oportunidade para fazer o seu, é importante ficar por dentro das notícias do setor.

Recentemente, o Itaú e o Banco Inter lançaram uma nova linha de crédito que corrige as prestações pelo rendimento da poupança. Continue a leitura para saber mais detalhes sobre ela e descobrir se essa é a melhor opção para comprar sua casa.

Do que se trata o novo financiamento da casa própria?

O novo financiamento da casa própria é uma modalidade de crédito imobiliário que oferece taxas de juros mais baixas em comparação com outros tipos de serviço financeiro. Como já dissemos, ele é oferecido pelo Itaú e Banco Inter.

Devido ao seu sucesso, a tendência é que outras instituições financeiras também passem a trabalhar com esse tipo de financiamento. A CAIXA, por exemplo, anunciou, em novembro, que oferecerá o mesmo serviço a seus clientes.

Como o novo financiamento funciona?

O novo financiamento da casa própria acompanha a correção do rendimento da poupança que, hoje, está em 70% da Selic (taxa básica de juros) ao ano. Nesse caso, com a Selic a 2%, a correção das parcelas do crédito imobiliário em, mais ou menos, 1,4%.

E se a Selic subir? Caso isso aconteça e a taxa básica de juros fique acima de 8,5% ao ano, a poupança sofre alteração e passa a render 0,5% ao mês mais a Taxa Referencial (TR) que, atualmente, está zerada.

O resultado disso seria o aumento das parcelas do financiamento. Em outras palavras, elas ficariam mais caras. Então quer dizer que taxas de juros mais baixas oferecem melhores linhas de crédito? Depende!

Financiamentos com taxas de juros menores implicam em maiores riscos para o tomador de crédito, ou seja, para o consumidor ou empresa que deve pagar as parcelas do financiamento para o banco.

imagem de casal expondo a chave de sua casa nova

Confira: É possível dar imóvel como garantia para o meu empréstimo? Saiba agora

Vale ou não a pena pedir o novo financiamento imobiliário?

Para saber se o novo financiamento da casa própria é ou não a melhor opção para seu caso, é importante conhecer outras modalidades de crédito imobiliário. Atualmente, existem 4 linhas:

  • Taxas prefixadas (sem correção) – Oferecem riscos menores para o tomador e riscos maiores para o banco. É justamente por isso que essas linhas contam com juros mais altos (a partir de 8% ao ano) e o valor das parcelas não mudam quase nada.
  • Taxas de juros mais correção pela TR – Essas linhas são mais tradicionais e possuem taxas de juros a partir de 6,25% ao ano. A variação de acordo com a Taxa Referencial, que hoje está zerada, pode aumentar o valor das parcelas.
  • Taxas de juros atreladas ao IPCA – Oferecem juros a partir de 2,95% ao ano, mais variação da inflação IPCA. Essas linhas são mais arriscadas, já que o índice de inflação varia bastante e isso pode deixar as prestações muito altas.
  • Taxas de juros atreladas ao rendimento da poupança – Conta com juros menores em comparação às linhas com base na TR. No entanto, os juros são maiores que as linhas de IPCA, a partir de 3,99% ao ano. Portanto, os riscos são intermediários.

Vale dizer que as linhas que se baseiam no rendimento da poupança possuem um texto de 0,5% ao mês. No pior dos cenários, elas teriam juros de 10,2% ao ano mais TR.

Não se esqueça de avaliar os riscos e benefícios antes de tomar uma decisão que trará consequências por alguns bons anos. O ideal é planejar a vida financeira e aprender a controlar os gastos do dia a dia antes de entrar em um financiamento imobiliário.

Estude o mercado financeiro, poupe, invista e adote hábitos financeiros mais saudáveis. Com isso, você será capaz de se organizar para financiar seu imóvel dentro de um período confortável.

O novo financiamento da casa própria pode ser uma boa saída caso você perceba que não vai precisar de tantos anos assim para quitar as prestações. Isso reduz os riscos de aumento de juros e, consequentemente, não prejudica sua organização financeira.

Com essas informações, ficará mais fácil escolher o melhor financiamento da casa própria. Continue aqui no blog do Bom Pra Crédito para ter acesso a outras notícias do mercado de crédito e aprender a lidar melhor com seu dinheiro.

E, se você caiu aqui de paraquedas e está atrás de um empréstimo pessoal, o Bom Pra Crédito é o lugar certo! Conto conosco, sempre!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *