Férias remuneradas… ou você toma cuidado ou elas te engolem

Larissa Carvalho

| 5 minutos para ler

pessoa estendendo o braço segurando chapéu de dentro de um carro em movimento em uma rodovia

Continua depois da publicidade

Cuidado para que o sonho não se transforme em uma dura realidade!

Ah, as férias remuneradas! Fala sério, quem não aguarda ansiosamente por sua chegada, aquela época em que torna-se possível viajar, descansar e curtir cada dia para relaxar o corpo e a mente e, assim, ter energia para retornar ao trabalho depois.

Elas são ótimas para todos os trabalhadores e até necessárias para conseguir aliviar a tensão do dia a dia.

Porém, todo cuidado é necessário para que a volta à rotina não se transforme em algo penoso e complicado no quesito das finanças.

Se você não sabe a forma com que as férias funcionam, bem como se não consegue se organizar tão bem para voltar ao trabalho, então veio ao lugar certo!

Vamos entender como a questão se desenrola e o que você pode fazer para evitar aquele perrengue.

O que são as férias remuneradas?

Um direito de todo trabalhador, de acordo com o Artigo 129 do Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, popularmente conhecido como a Consolidação das Leis do Trabalho ou CLT.

Tal artigo fala que todo empregado terá direito, anualmente, a um período de férias, sem que este tenha prejuízo de sua remuneração.

Houve uma alteração no artigo, dada pelo Decreto-Lei nº 1.535, de 15 de abril de 1977, mas esta trata especialmente dos trabalhadores rurais.

É importante destacar, para esclarecer algumas dúvidas, que a nova lei trabalhista trouxe algumas mudanças em relação às férias, mas relacionadas ao fracionamento deste direito, ou seja, de poder dividi-la em até três períodos no ano, o que antes era limitado apenas a dois.

Porém, a questão da remuneração não foi alterada.

Em termos simplificados, depois de um ano de trabalho, todos os trabalhadores, inclusive os que ainda não tenham sido efetivados, têm o direito de desfrutar de um período de 30 dias para descanso, sem que o pagamento do seu salário seja afetado.

O empregador, por sua vez, tem até um ano, contado a partir do primeiro dia que o funcionário tem o direito de requisitar suas férias, para efetivamente concedê-la.

Caso este prazo exceda um ano, o colaborador passa a ter o direito de receber as férias em dinheiro, pagamento cujo valor deve ser o dobro do seu salário.

Além dos dias de descanso e do salário, o colaborador ainda recebe um terço a mais do valor bruto de seu salário para desfrutar das férias, o que é chamado de terço constitucional.

Portanto, se o bruto é de R$ 2.400, o valor será de R$ 3.200 neste mês.

Essa é uma das maiores vantagens das férias remuneradas, pois permite que o colaborador desfrute do seu período de descanso sem prejudicar seu orçamento e, ainda por cima, tenha um valor adicional para gastar sem que tenha que tirar de outros pagamentos.

Porém, ao mesmo tempo que se coloca como uma vantagem, ela traz seus riscos. Nem todos sabem como as férias funcionam e, por isso, podem se surpreender (negativamente) no mês seguinte.

homem de camisa branca reclinando em sua cadeira em frente ao seu computador

Leia mais: Aprenda a calcular o que receber na demissão sem justa causa

Qual é a questão por trás das férias remuneradas?

Os valores que são recebidos depois das férias, os quais são diferentes do salário convencional. A forma mais simples de entender é através de um exemplo prático.

Imagine que você entre de férias em 2 de agosto e fique até 31 de agosto descansando.

O salário será recebido até dois dias antes do início das férias, ou seja, até 30 de julho. O valor a ser recebido corresponde aos 30 dias do mês de agosto, além do terço constitucional.

Então, quando voltar a trabalhar, o funcionário ficará setembro sem receber e terá  o próximo salário apenas no mês de outubro, como ocorre naturalmente.

Isso, porém, cria um rombo que pode ser bem prejudicial ao orçamento.

A animação e euforia das férias pode fazer com que aquele valor adicional seja gasto rapidamente, mas sem o devido planejamento, pode faltar para o mês seguinte.

Neste caso, as férias remuneradas, que até então vinham sendo tão agradáveis, podem se tornar em um grande pesadelo para as contas.

Felizmente, é possível evitar este problema com algumas sugestões simples, mas que vão fazer toda a diferença não apenas nas contas como também no aproveitamento das suas tão merecidas férias. Dá só uma olhada!

Como não se enrolar com as contas durante as férias?

Acredite: com algumas dicas de planejamento financeiro familiar, suas férias serão ainda mais divertidas, prazerosas e relaxantes e, de quebra, o orçamento estará perfeitamente organizado. Quer coisa melhor?

Não comprometa todo o seu orçamento

A primeira dica não se aplica apenas às férias remuneradas, mas sim a toda a sua vida. O ideal é que uma parte do que você ganha seja poupada, sempre, independentemente de qual for a situação.

A parcela pode variar de acordo com cada pessoa, mas você pode começar a guardar 10% ou 15% do seu salário.

Assim, sempre sobrará um pouco de dinheiro no final do mês, o qual pode ser guardado para começar a construir sua reserva de emergência.

Quando chegar no mês das suas férias, essa parcela pode deixar de ser guardada e passar a ser utilizada para despesas como viagens, festas e afins, mas só em relação ao salário das férias.

Assim, você se dá um presente mesmo sem se prejudicar depois!

Guarde o terço constitucional para ajudar a pagar as contas

Ao invés de gastar aquele valor que recebeu a mais nas férias remuneradas, é uma boa pedida guardá-lo para ajudar a quitar as contas no mês que não receber, principalmente se ainda não tiver montado sua reserva financeira.

É fato que isso pode te fazer mudar um pouquinho os planos para as férias, mas é por um bom motivo!

Guarde 10% do salário mensal para as férias

Se você conseguir guardar 10% do seu salário (fora aquela porcentagem que comentamos na primeira dica), no decorrer de 12 meses serão 120% do seu salário.

Por exemplo, caso receba R$ 2.500 por mês, ao guardar 10% (R$ 250) por mês, você terá R$ 3.000 depois de um ano.

Esta é uma medida para que você não precise usar todo o dinheiro das férias remuneradas e ainda assim consiga aproveitar muito bem este período.

jovem de terno pensativo

Leia mais: 7 erros de planejamento financeiro que te deixam no vermelho

Férias remuneradas e organização: a combinação perfeita

Com algumas dicas práticas, você conseguirá curtir ao máximo esses dias tão aguardados durante todo o ano, sem ter problemas com o pagamento de suas contas e também sem precisar abdicar do lazer e da diversão.

Se as férias remuneradas tiverem te trazido algum tipo de prejuízo, então conte com o Bom Pra Crédito e tenha as melhores ofertas em suas mãos.

Assim, você se reorganiza e já pode começar a se preparar para as próximas férias, com toda a diversão que você merece e sem problemas financeiros.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *