5 histórias de empreendedorismo feminino para você se inspirar

Larissa Carvalho

| 5 minutos para ler

quatro mulheres juntas sob uma mesa de madeira

Continua depois da publicidade

premio reclame aqui 2020

Conheça o exemplo de mulheres que venceram no empreendedorismo!

O empreendedorismo feminino é um assunto que está em pauta na sociedade, o que é totalmente merecido. Afinal de contas, mesmo com tanto destaque na igualdade de gênero, o que vimos por muito tempo é uma predominância masculina entre os empreendedores.

Porém, felizmente, a tendência é de que este número mude. É isso o que mostra a pesquisa “Empreendedorismo no Brasil – Relatório Executivo 2018”, derivada do projeto Global Entrepreneurship Monitor e com apoio do IBQP, Sebrae e UFPR em solo nacional.

De acordo com ela, as taxas específicas (em %) e estimativas do número de empreendedores por gênero mostram que 17,3% (11,9 milhões) dos empreendedores iniciais são mulheres, contra 18,5% (12,5 milhões) de homens, ou seja, uma disparidade de apenas 600 mil pessoas e 1,2 ponto percentual.

Além disso, em números absolutos, tem-se aproximadamente 23,8 milhões de mulheres que empreendem no Brasil, o que representa 11,33% da população estimada do país, ou seja, a situação se desenha para um caminho em que a igualdade está cada vez mais presente.

Uma forma de ajudar o número de empreendedoras a aumentar é destacar histórias de sucesso de brasileiras que já passaram por isso, o que certamente pode trazer aquela motivação. Dá só uma olhada nas que separamos e inspire-se!

5 casos de sucesso de empreendedorismo feminino no Brasil

Com essas inspirações, o desejo de abrir um negócio estará ainda mais vivo em sua mente!

1 – Cleusa Maria

Quando se fala sobre empreendedorismo feminino no Brasil, é difícil não lembrar de Cleusa Maria da silva, uma mulher de família humilde que começou a trabalhar como boia-fria quando morava no interior do Paraná. Depois de alguns anos, ela se mudou para Salto (SP) e começou a trabalhar como empregada doméstica.

Então, uma de suas chefes a pediu que fizesse um bolo, o que foi aceito mesmo sem Cleusa ter preparado nenhum em sua vida até então. A arte da confeitaria foi aprendida com esta mesma mulher, o que se mostrou como uma oportunidade de negócios.

Passado o tempo, ela abriu uma loja de bolos em seu bairro, em um espaço com 20 m², até então chamada de Sensações Doces,. O número de clientes só aumentava, dado o sucesso que o quitute fazia com o público, e em dado momento, o negócio mudou de nome para Sodiê Doces, junção de Sofia e Diego, o nome de seus filhos.

Hoje, são mais de 315 lojas em todo o Brasil, além de a marca ser considerada como a franquia especializada em bolos artesanais de maior sucesso no país.

fila de mulheres de costas abraçadas uma a uma

Leia mais: Começar a investir, saiba como dar os primeiros passos para ter mais dinheiro

2 – Luiza Helena Trajano

Outro nome bastante conhecido no empreendedorismo feminino, Luiza começou a trabalhar com 18 anos no varejo e assumiu, em 1990, a liderança de uma pequena loja de família, a qual era de seus tios e ficava em Franca, no interior de São Paulo. Antes, porém, ela passou por vários setores do negócio.

O crescimento da empresa, que já acontecia, deu um grande salto sob o comando de Luiza Helena. A loja, que foi inaugurada com o nome de “A Cristaleira”, começou a adquirir outras redes concorrentes em cidades vizinhas, o que fez com que ela se transformasse em uma referência no varejo.

Junto com a aquisição veio o novo nome da empresa, que passou a se chamar de Grupo Magazine Luiza. Outro passo muito acertado foi a participação como e-commerce, onde ela foi uma das primeiras a se aventurar no setor.

Hoje, as lojas estão em todo o país e a Magazine Luiza também se firmou como um dos maiores nomes do comércio eletrônico, ou seja, o sucesso aparece tanto nas lojas físicas quanto nas virtuais.

3 – Zica Assis

Heloísa Assis, mais conhecida como Zica, começou a trabalhar como babá desde os 9 anos de idade, além de também ter trabalhada como faxineira e empregada doméstica.

Aos 21 anos, com o desejo de aprender como cuidar melhor dos seus cabelos e da aparência, ela fez um curso de cabeleireira, inicialmente apenas para aplicar os conhecimentos em seus cabelos cacheados, em uma época em que não havia muitos produtos especializados no segmento.

Foi aí que ela começou a desenvolver fórmulas de produtos e testar nos cabelos, até que conseguiu criar uma ótima mistura, que trouxe resultados fantásticos aos seus fios.

Com isso, Zica percebeu que este também era um problema de outras pessoas. Com a ajuda do marido, que vendeu o táxi que tinha, e também de seu irmão, gerente de uma unidade de fast-food, ela fundou um salão de beleza com mais três sócios, o Instituto Beleza Natural, em 1993.

O estabelecimento, especializado em cabelos crespos e cacheados, tinha produtos próprios, o que foi um grande diferencial. O empreendedorismo feminino de Zica trouxe excelentes resultados, já que hoje são mais de 40 salões espalhados pelo Brasil.

Seu reconhecimento também a levou a ser considerada como uma das dez empresárias mais poderosas do Brasil, de acordo com a revista norte-americana Forbes, o que é uma grande prova de que o sonho se transformou em realidade e em um grande sucesso.

4 – Sônia Hess de Souza

Na década de 1950, Adelina Clara Hess de Souza começou a fazer camisas para vender de maneira despretensiosa, já que tinha comprado mais tecidos do que precisava. Foi aí que ela percebeu que poderia ganhar dinheiro com isso.

No início, as peças começaram a ser vendidas no estado de Santa Catarina, em um caminhão, neste que foi um dos primeiros passos da Dudalina, uma grande marca de camisetas na atualidade, reconhecida não apenas no Brasil como também na América Latina.

Sônia Hess de Souza, filha de Adelina, assumiu o comando da empresa em 2003, depois de já ter trabalhado ali por 19 anos. Com um talento inegável para vendas desde criança, a companhia cresceu e conquistou o lugar de destaque de que desfruta até hoje.

Sônia assumiu a presidência dois anos depois de seu irmão ter estado no posto e, pouco mais de dois anos depois, aumentou em 50% o faturamento da companhia. Hoje, a empresa, que se transformou em um grupo, fabrica camisas, calças, camisetas polo e t-shirts, inclusive para grandes clientes, como Zara e Levi’s.

5 – Lênia Luz

Para fechar a lista, trazemos a história de Lênia Luz, que não apenas é um exemplo de empreendedorismo feminino como também busca empoderar outras mulheres a realizarem seus sonhos.

A fonoaudióloga mudou de área e participou de um projeto chamado de “10.000 Mulheres” em 2011. Junto com outras empreendedoras, ela teve a ideias de montar um blog em que pudesse compartilhar suas experiências com outras pessoas.

Foi em 2012 que nasceu o “Empreendedorismo Rosa”, blog voltado às mulheres que já empreendem ou querem começar, com conteúdos direcionados aos desafios e às potenciais conquistas que existem para quem empreende.

Lênia também é CEO e diretora executiva da Aurelio Luz Varejo & Franchising, empresa de consultoria que iniciou com Márcio Aurelio, seu marido e sócio. 

mulher de blusa bege e óculos comemorando em frente ao seu laptop

Leia mais: Trabalho home office, veja 07 profissões que você pode realizar do sofá de casa

Seja a mais nova participante do empreendedorismo feminino!

A trajetória empreendedora não é simples, de fato, mas é super recompensadora. Quem dedica seus esforços pode atingir resultados fantásticos, não apenas em termos financeiros como também pelo fato de se tornarem exemplos para quem deseja começar a trilhar esta jornada.

Se o empreendedorismo feminino é um desejo que arde ainda mais em seu coração depois de ter conhecido tantas histórias inspiradoras, saiba que o Bom Pra Crédito pode te ajudar. Conte conosco para ter acesso às melhores ofertas de crédito e, assim, transformar seu sonho em realidade!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *