Acabou de casar? Faz sentido ter conta conjunta?

Larissa Carvalho

| 4 minutos para ler

imagem ampliada de duas pessoas de mãos dadas exibindo sua salianças

Resumo da matéria

  • O que é conta conjunta?
  • Qual é o melhor banco para abrir conta conjunta?
  • Quais são as vantagens de conta conjunta para o casal?
  • Desvantagens da conta conjunta para o casal
  • E se o casamento não der certo?
  • Ter ou não conta conjunta?

Continua depois da publicidade

premio reclame aqui 2020

O sucesso de uma vida compartilhada depende, entre outros fatores, das decisões financeiras do casal

Além de alegria e tristeza, saúde e doença, avanços e retrocessos, vocês dividirão despesas. Afinal, uma relação à dois não é feita apenas de sentimentos. A parte prática conta, e muito, para seu sucesso. É sobre ela que vamos falar neste artigo. Para sermos um pouco mais específico, vamos tratar de um tema que mais gera dúvidas e questionamentos: conta conjunta para casal. Descubra o que ela significa e se essa pode ou não ser uma boa opção para seu casamento.

O que é conta conjunta?

A conta conjunta é uma modalidade de conta bancária que pode ser movimentada por mais de um titular.

Apesar de ser mais comum entre casais, essa não é uma condição para que ela seja aberta.

Em outras palavras, você pode ter uma conta conjunta com pais, filhos, irmãos, sócios, entre outras pessoas.

Existem dois tipos de conta conjunta. Uma delas é a solidária, em que qualquer titular pode fazer movimentações financeiras de forma independente. 

A segunda é a conta conjunta simples, em que, para fazer movimentações é necessária a assinatura de todos os correntistas.

O processo de abertura de ambas é bem parecido ao utilizado em uma conta individual.

Basicamente, a diferença é que todos os titulares deverão apresentar documentos solicitados pelo banco.

Antes de tomar a decisão se é ou não viável aderir a esse tipo de produto, é importante que você conheça seus prós e contras.

imagem de uma mulher nas costas de um homem ao ar livre

Veja também: Planejamento financeiro familiar… pode assustar, mas é fácil resolver

Qual é o melhor banco para abrir conta conjunta?

O melhor banco para abrir conta conjunta é aquele que ofereça produtos coerentes com as necessidades e objetivos do casal.

Avalie a cobrança de tarifas, facilidade nas transações e políticas de atendimento.

É importante que o banco esteja à disposição para oferecer as melhores soluções, não só no ato de abertura da conta, mas também enquanto ela existir.

Faça uma boa pesquisa antes de optar por determinada instituição financeira.

Quais são as vantagens de conta conjunta para o casal?

Uma das vantagens da conta conjunta para o casal é a possibilidade de ter uma visão geral do orçamento familiar.

Além disso, existe a praticidade para resolver questões burocráticas junto ao banco.

Possuir uma conta conjunta também ajuda no controle dos gastos. Dessa forma, ambos poderão lidar com as finanças de forma transparente e os objetivos comuns podem ser alcançados com maior tranquilidade.

Nada impede que vocês tenham uma conta conjunta e outra individual. Nesse caso, o ideal é combinar um valor fixo que cada um contribuirá por mês. Isso evita discussões sobre dinheiro.

Por fim, se vocês tiverem dinheiro sobrando na conta conjunta, poderão decidir as melhores maneiras de fazer uso dele e focar nas metas da família. 

Desvantagens da conta conjunta para o casal

Como tudo na vida, a conta conjunta também tem seus contras.  Se vocês optarem em juntar todas as receitas e despesas e cancelar as contas individuais, terão que lidar com a perda da independência.

Isso pode gerar debates em relação ao que cada um gasta em benefício próprio.

A situação pode se agravar ainda mais quando uma das partes acaba gastando demais e entrando no vermelho.

Nesse caso, como ambos são titulares, os dois correrão o risco de ficar com o nome sujo.

Essa condição, como você já sabe, é um grande obstáculo para liberação de crédito, seja para comprar um imóvel, um carro ou para fins particulares.

Vale lembrar que vocês saberão quanto o outro ganha e como gasta. Para algumas pessoas, isso pode ser um fator negativo, principalmente quando se está acostumado a não compartilhar esse tipo de informação. 

E se o casamento não der certo? 

Ninguém se casa pensando no divórcio. No entanto, do ponto de vista prático, o ideal é sempre considerar essa possibilidade.

De acordo com o IBGE, o número de divórcios concedidos em 1ª instância, em um ano, aumentou em 3,2%. 

Claro que vários são os motivos que levam as pessoas a colocar um fim no casamento.

Nesse contexto, problemas financeiros costumam ter grande peso. Essa é mais uma razão para pensar a respeito da conta conjunta.

Vamos para a parte burocrática desse processo. Se vocês se casarem com comunhão total de bens, tudo o que foi adquirido por ambos antes e depois do casamento deve ser dividido.

Tudo o que está na conta conjunta deverá ser dividido meio a meio. É importante que você saiba que não adianta limpar a conta e se divorciar em seguida. Isso pode ser caracterizado como golpe e levar a processos criminais.

No caso do casamento pelo regime de comunhão parcial, todos os bens adquiridos antes do casamento são individuais.

Se a conta foi aberta depois da oficialização da união, seja individual ou conjunta, o dinheiro vai ser dividido entre os dois.

No  regime de separação total de bens cada um fica com seus próprio patrimônio.

Caso vocês tenham conta conjunta, ficará difícil saber o que é de cada um. O mais comum é que haja a divisão do saldo, a não ser que alguém prove que o dinheiro lhe pertence. 

Em caso de união estável, se vocês não firmarem um contrato de convivência, as regras válidas são as mesmas da comunhão parcial de bens. Como você percebeu, até agora, a gente só falou da divisão de bens. E as dívidas?

As dívidas geradas em conta conjunta deverão ser partilhadas entre ambos. Até porque, como a gente já disse, se um não cumpre com suas obrigações financeiras, automaticamente, o outro também se torna um devedor.

imagem de um homem sentado em um sofá sendo abraçado por uma mulher

Veja também: A conta conjunta é a melhor opção para a sua família?

Ter ou não conta conjunta?

Em primeiro lugar, a decisão de abrir uma conta conjunta para casal com o parceiro deve passar pela segurança e confiabilidade.

Afinal, ao assinar os documentos para a aquisição desse produto financeiro, vocês se comprometerão a conceder ao outro o acesso ao dinheiro. 

Para que a solução seja benéfica aos dois, é necessário muito diálogo. Conversem sobre os objetivos financeiros individuais e do casal e exponham seus medos e incertezas. Se vocês estão iniciando a vida a dois agora, podem começar por um teste.

Se deem alguns meses para descobrir como vocês se comportarão nessa nova realidade.

Assim que vocês estiverem mais seguros a respeito disso, voltem a conversar e decidam o que é melhor. O importante é evitar aborrecimentos com situações mal resolvidas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *