Como ficar milionário? Será mesmo possível?

Larissa Carvalho

| 4 minutos para ler

casal parado um ao lado do outro após terem saído de carros de luxo preto e vermelho

Resumo da matéria

  • A fórmula do milhão
  • Juros compostos
  • Onde encontrar esta rentabilidade?
  • Lembre-se da inflação!
  • Como podemos acelerar?
  • Invista de forma contínua
  • Faça melhores investimentos e siga seu planejamento

Continua depois da publicidade

premio reclame aqui 2020

Aqui você vai ver dicas reais e que funcionam na prática para se tornar um milionário

“Como ficar milionário?” Quem nunca se fez essa pergunta em algum momento? Juntar um milhão de reais pode parecer um sonho distante, até mesmo impossível.

Mas demonstraremos nesse artigo que atingir esse patrimônio é algo que está ao alcance de qualquer pessoa.

Veja bem: não estamos falando de praticar atividades ilícitas ou ganhar na Mega Sena.

Vamos mostrar como fazer isso sem assumir quase nenhum risco ou precisar contar com a sorte grande.

A fórmula do milhão

Nossa fórmula para se tornar um milionário é muito simples: investir um salário mínimo por mês.

Na data de publicação deste artigo o salário mínimo brasileiro equivale a R$ 1.045,00.

Se você simplesmente poupasse esse montante mensalmente, precisaria de 957 salários para acumular R$ 1 milhão. Ou seja, levaria 79 anos – descontando a inflação!

Mas não estamos simplesmente sugerindo que você guarde um salário mínimo por mês.

Nossa fórmula exige que você invista todos os valores mensalmente de forma que o objetivo seja alcançado num prazo muito mais curto.

Por exemplo: se todo mês você aplicasse um salário mínimo em um título que rendesse uma taxa de 11% ao ano, já descontados os impostos, a evolução do seu patrimônio seria a seguinte: no 24º ano, o seu patrimônio atingiria a marca de R$ 1 milhão e você entraria para a lista dos milionários. 24 anos já é um prazo bem mais razoável do que 79!

imagem de homem de terno em frente a um carro de luxo branco

Veja também: Como abrir franquia até 50 mil reais e ganhar dinheiro

Juros compostos

Mas como isso é possível? A explicação é puramente matemática e está baseada no poder dos juros compostos. Ao investir esses valores, eles renderão juros periodicamente.

Esses juros gerados são incorporados ao montante principal para calcular os juros do período seguinte.

Somando-se os valores adicionados mensalmente, o “bolo” cresce exponencialmente.

Onde encontrar esta rentabilidade?

Você pode estar se perguntando: “Um rendimento de 11% ao ano, líquido de impostos, é realista?”

Atualmente sim.

A taxa de juros básica da economia (Selic) se encontra em 0,24%, com um acumulado do ano em 1,58%.

É possível conseguir rendimento semelhante investindo, por exemplo, em títulos do governo através do Tesouro Direto.

Além de serem uma das alternativas mais seguras de investimento, esses títulos oferecem hoje uma rentabilidade esperada da Selic + 0,02% ao ano, já descontados o Imposto de Renda sobre os ganhos e as taxas de custódia. Isso é mais do que a poupança está rendendo.

Além do Tesouro Direto, é possível obter rentabilidades semelhantes e, em alguns casos, maiores em outros produtos de renda fixa como: CDBs (Certificados de Depósitos Bancários), Fundos DI, LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) e LCI (Letras de Crédito Imobiliárias).

Lembre-se da inflação!

Ao elaborarmos um planejamento financeiro é importante lembrar do efeito da inflação e seu impacto ao longo do tempo. Porém, nos cálculos da simulação acima não consideramos esse efeito.

Utilizamos uma taxa de juros nominal de 11% ao ano onde você, de fato, irá acumular um montante de R$ 1 milhão de reais em 24 anos.

Porém, esse milhão não terá no futuro o mesmo poder de compra do que tem hoje.

Para se obter um patrimônio cujo poder de compra é equivalente a R$ 1 milhão hoje, devemos levar em consideração o efeito corrosivo da inflação. Portanto, precisamos descontar o nosso patrimônio mensalmente pela taxa de inflação esperada para os próximos anos.

Por outro lado, é razoável considerar que os salários também irão subir, acompanhando os índices de inflação.

Dessa forma, os aportes mensais também poderão ser crescentes seguindo a evolução dos salários.

Considerando o efeito de uma inflação estimada em 5% ao ano, nossa curva de crescimento do patrimônio ficaria da seguinte maneira:

Para alcançar um patrimônio cujo poder de compra é equivalente a R$ 1 milhão hoje, levaríamos 35 anos.

Considerando-se que esse é o tempo mínimo para aposentadoria no Brasil (para homens), é ainda um prazo razoável para se atingir essa meta.

Como podemos acelerar?

Existem algumas maneiras de encurtar o prazo necessário para se tornar milionário.

Um deles seria investir mais do que apenas um salário mínimo. Quanto maior o valor das parcelas mensais, mais rapidamente se chegará ao objetivo.

Porém, essa opção nem sempre é possível, devido a restrições orçamentárias.

Outra alternativa é buscar uma rentabilidade maior do que apenas o Tesouro Direto.

Apesar dessa ser uma alternativa de investimento bastante segura, é possível obter rentabilidades superiores sem correr grandes riscos adicionais.

Uma forma seria montar uma carteira balanceada e diversificada com ativos variados como CDBs, LCIs, LCAs, fundos e ações.

Vamos simular uma aplicação mensal de R$ 1.000 com uma rentabilidade média líquida de 13% ao ano (dois pontos percentuais acima do nosso cenário original):

Nesse cenário, nos tornaríamos milionários (com poder de compra real) em 27 anos.

imagem focada em homem de terno preto exibindo seu relógio dourado

veja agora: “A ciência de ficar rico” e outros 5 livros sobre finanças para você mudar sua relação com o dinheiro

Invista de forma contínua

Uma lição importante das simulações acima é que devemos procurar investir de forma contínua.

Poupar um pouco todo mês é mais fácil do que destinar um montante grande uma única vez no ano para um investimento.

Por exemplo: poupar R$ 1.000 por mês para investir é mais acessível do que tentar aplicar R$ 12 mil de uma única vez. No fim, o montante poupando é igual.

Porém, poupando mensalmente, você suaviza o efeito no seu orçamento mensal, além de poder se beneficiar mais rapidamente dos juros compostos.

Ao fazer aplicações periódicas, você também ameniza o efeito do “market timing” — que é o desafio de acertar o momento exato de investir.

Ou seja, investir logo antes do mercado subir e vender os ativos antes de caírem. Acertar o momento certo de forma recorrente é praticamente impossível.

Faça melhores investimentos e siga seu planejamento

Recomendamos pesquisar investimentos mais rentáveis e com menores custos e decidir por aqueles que sejam condizentes com o seu perfil.

Para isso, faça pesquisa de mercado e conheça o seu perfil de risco. Outra maneira é buscar a ajuda de um profissional através de uma consultoria de investimentos.

Não tem por que esperar! Comece hoje mesmo a poupar e a investir e torne-se o próximo milionário!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *