A história do dinheiro e todo o seu processo ao longo dos séculos

Larissa Civita

| 4 minutos para ler

Grupo de Moedas romanas antigas

Continua depois da publicidade

Será que o dinheiro de papel vai deixar de existir? Leia este artigo até o final para descobrir

O que a gente faz sem dinheiro? Praticamente, nada, não é? Seja em moeda, papel, cheque, cartão de débito ou crédito, ele está presente em todos os momentos da nossa vida.

Afinal, é graças ao dinheiro que a gente pode pagar o meio de transporte para ir ao trabalho, comprar produtos e serviços essenciais e presentear quem amamos.

Mas, será que, ao longo da história, ele sempre foi tão importante assim?

Conheça agora algumas curiosidades que fazem parte da história do dinheiro.

História que começa bem antes de Cristo

Com o surgimento da vida em sociedade, a necessidade de uma convenção para medir riquezas passou a fazer parte da rotina da humanidade.

A troca de mercadorias era medida por artigos considerados valiosos em diferentes épocas.

Para você ter uma ideia, os astecas, uns dos primeiros habitantes da região que, hoje, é conhecida como México, usavam o chocolate como moeda de valor.

Dessa forma, o valor das coisas era medido pelo líquido que era obtido das sementes de cacau.

Só o imperador asteca Montezuma chegava a beber mais de 50 porções por dia. Por aí, a gente já pode imaginar quão rico ele era. 

Entre os noruegueses, a história do dinheiro contou com outro produto que era considerado muito valioso: o bacalhau seco.

Hoje, esse pescado continua tendo um preço consideravelmente alto, pelo menos para muita gente.

Leita também: 5 histórias de empreendedorismo feminino para você se inspirar

Quando surgiram as primeiras moedas?

As moedas parecidas com as que a gente usa hoje surgiram no século VII a.C. De acordo com o historiador grego Heródoto, foi Creso, rei da Lídia, região onde está localizada a atual Turquia), quem criou as primeiras moedas, entre 640 e 630 a.C.

Os materiais utilizados eram nada menos que ouro e prata. No início, as peças eram fabricadas manualmente e não seguiam um padrão, mas isso não foi obstáculo para refletir a mentalidade e cultura do povo da época. 

A moeda de metal teve um papel muito importante na história. Graças a ela, a população mais pobre começou a ter acesso ao dinheiro e teve a oportunidade de acumular riqueza. 

Além disso, ela deu origem à coleta de impostos, coisa que, antes, era muito difícil de fazer.

Imagina só como seria contabilizar imposto com a contagem de bois, bacalhau, sal, imóveis, entre outros produtos que fizeram parte da história do dinheiro?

Duas moedas antigas e enferrujadas em uma mesa de madeira

 Quando surgiram as primeiras notas de papel?

As notas de papel fazem parte da segunda grande revolução na história do dinheiro.

A primeira, como a gente já disse, foi a invenção da moeda de metal. Há quem diga que esse modelo de dinheiro surgiu na China, no ano de 960.

No entanto, a circulação ficou restrita a apenas algumas localidades do país. Isso fez com que o papel-moeda caísse em desuso no fim do século XIV. O resultado foi que os créditos para o marco foram dados para a Europa.

Em 1661, na Suécia, as primeiras notas começaram a circular. Com a expansão comercial, outros países do continente passaram a adotar esse sistema de pagamento.

Assim, o comércio garantiu a circulação das notas em todo o planeta.

Dinheiro invisível e a terceira revolução na história do dinheiro

Hoje, são poucas as situações em que a gente usa do dinheiro em espécie, ou seja, recebe e faz pagamentos com moedas ou dinheiro de papel.

Na maioria das vezes, usamos o cartão de crédito ou débito ou fazemos transferências entre contas.

E, por falar em cartão de crédito, você sabia que ele foi criado pelas empresas de combustível?

No início do século XX, os postos criaram esse sistema de pagamento para que seus clientes pudessem comprar produtos em lojas distantes.

Como não eram todos os lugares onde era fácil conseguir dinheiro para pagar o abastecimento, o uso do cartão garantia o trânsito dos motoristas. Isso deu tão certo que outras empresas aderiram ao movimento.

Hoje, é bem raro ver alguém que não tenha ou não teve cartão de crédito em algum momento da vida.

Esses hábitos fazem parte da chamada terceira revolução na história do dinheiro.

Graças à evolução da tecnologia digital, os caixas eletrônicos, aplicativos, net banking, entre outros dispositivos, revolucionaram nossa forma de lidar com as finanças.

Isso significa que a gente não precisa ver o dinheiro para saber que ele existe e é nosso.

Por meio de um número de conta em banco, físico ou digital, a gente consegue administrar o quanto ganha, gasta e nossos investimentos. 

É por isso que as operações financeiras online estão cada vez mais seguras e oferecem maior comodidade.

A quantidade de bancos digitais tende a crescer ainda mais, o que implica na redução de taxas e serviços, ou seja, você pode economizar.

Você conhecia algumas dessas informações sobre a história do dinheiro? Continue aqui no blog do Bom Pra Crédito e descubra mais sobre o fantástico mundo da educação financeira.

Aproveite a leitura dos nossos conteúdos e descubra como investir, ganhar renda extra e fazer operações financeiras seguras pela internet.

A gente produz tudo com muito cuidado para garantir que a sua história com o dinheiro tenha sempre capítulos felizes.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *