Todas as moedas do Brasil que já foram usadas

Larissa Carvalho

| 5 minutos para ler

imagem de uma nota de reis brasileiro

Resumo da matéria

  • RÉIS
  • CRUZEIRO
  • CRUZEIRO NOVO
  • CRUZEIRO
  • CRUZADO
  • CRUZADO NOVO
  • CRUZEIRO
  • CRUZEIRO REAL
  • REAL

Continua depois da publicidade

A história da nossa moeda é marcada por reviravoltas dignas do cinema

Se você também tem apreço pela história e cultura do nosso país, deve saber que o Brasil já teve várias moedas e cédulas diferentes até hoje. Mas, você sabe quais são todas as moedas do Brasil?

Bom, o dinheiro começou a circular no Brasil ainda no período colonial, trazido pelos portugueses. Desde então, ele vem evoluindo e somente com a implementação do Real, em 1994, nossa moeda finalmente se estabilizou. 

A história do sistema monetário é muito importante e teve papel fundamental na evolução da nossa economia.

Se você deseja conhecer um pouco mais da história do nosso dinheiro, desde os tempos do império, preparamos um resumo especial para você.

Confira:

RÉIS

imagem de uma nota de reis brasileiro

Durante muitos anos, a economia no país baseou-se no sistema de trocas; para se ter uma ideia, até o açúcar já foi usado como forma de pagamento.

Porém, com a colonização uma moeda entrou em vigor, e surge a primeira das moedas do Brasil. Ela era conhecida como Réis e foi utilizada durante todo período colonial, Independência e República até 1942.

CRUZEIRO

imagem de uma nota de 1 cruzeiro brasileiro

O Cruzeiro foi a moeda que unificou as cédulas no Brasil. Até então haviam 56 tipos diferentes de cédulas em circulação no país.

Inicialmente entraram em circulação notas de 10, 20, 50, 100, 200, 500 e 1000. Após alguns anos, por falta de recursos do governo, foram criadas as notas de 1 e 2 para substituir moedas.

Foi derrotado pela alta inflação no final da década de 60, mas trouxe grandes aprendizados para o Brasil.

Foi a primeira cédula realmente impressa em solo nacional, em 1961. Até então as cédulas eram impressas nos Estados Unidos ou Europa.

Por conta da inflação, nos últimos anos de sua circulação foram criadas notas de Cr$5.000 e de Cr$10.000. Hoje em dia seria como ter notas de R$ 500 e R$ 1000.

Em 1967, após atingir a inflação de 25%, a moeda foi abandonada por uma nova tentativa.

Foi nesse período que o governo realizou o corte de zeros e, desta forma, um cruzeiro foi equivalente a mil réis, ou um conto de réis – Rs 1$000 = Cr$ 1.

CRUZEIRO NOVO 

Com a alta inflação sofrida pelo Cruzeiro, veio a tentativa de implementar o Cruzeiro Novo: uma moeda temporária onde que cada 1 NCr$ valeria exatamente Cr$ 1.000 (Cruzeiro antigo).

Sua função foi dar tempo para que as novas cédulas de Cruzeiro fossem impressas. Dessa forma as cédulas antigas foram carimbadas com novos valores, sem o 3 zeros, e voltaram a circular.

Após 3 anos em circulação, deu-se a etapa final da reforma monetária em curso, de modo que a moeda do Brasil voltou a chamar-se somente Cruzeiro.

Leia mais: A história do dinheiro e todo o seu processo ao longo dos séculos

CRUZEIRO 

imagem ampliada do verso de um cruzeiro

Com a mudança de nome, cada Novo Cruzeiro passou a valer 1 Cruzeiro. Uma tentativa de restabelecer a credibilidade da moeda anterior, que conseguiu permanecer em circulação por mais 16 anos.

Na década de 80 a inflação voltou a aumentar a ponto de finalmente derrotar a moeda brasileira.

CRUZADO

moeda metálica no valor de dez cruzados

O cruzeiro foi substituído pelo cruzado era proveniente do Plano Cruzado, implantado pelo governo Sarney. 

Esse Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. Durante os primeiros meses da mudança, as antigas cédulas de cruzeiro foram carimbadas com o novo valor em cruzados; mil cruzeiros passaram a valer 1 cruzado (Cr$ 1 000 = Cz$ 1).

CRUZADO NOVO 

imagem de quinhentos cruzados novos

O cruzado novo veio substituir o cruzado, na segunda reforma monetária do governo do presidente José Sarney.

A nova moeda foi criada devido a inflação elevada que o Brasil enfrentava. 

Após menos de três anos, novo corte de zeros com o surgimento do cruzado novo em 16 de janeiro de 1989; mil cruzados passaram a valer 1 cruzado novo (Cz$ 1 000 = NCz$ 1).

Mais uma vez as notas receberam um carimbo com o novo valor no período de transição. Em seguida, novas cédulas foram criadas.

CRUZEIRO

imagem ampliada de moeda em metal de cinco cruzeiro

Com essa mudança a moeda voltava a trocar de nome e chamar-se Cruzeiro novamente.

Apesar da história já haver mostrado diversas vezes que apenas tirar os 3 zeros da moeda sem alterar a eficiência dos gastos públicos não funcionava, o governo mais uma vez insistiu nesta estratégia.

Após décadas de altas taxas de inflação, a economia brasileira já estava completamente indexada.

Ou seja, contratos e pagamentos eram automaticamente reajustados pela inflação, tornando o processo inflacionário exponencial e cada vez mais forte.

Em 1989 a média mensal da inflação chegou próximo a 29%.

Esta época é marcada por um dos momentos mais dramáticos em termos de política monetária, o “Confisco” executado no governo Collor.

Nele, 80% de todos os depósitos e aplicações bancárias que excedessem NCz$50.000 ficaram congelados pelo governo durante 18 meses.

Apenas 1 ano após sua criação, o governo foi obrigado a liberar notas de 10.000, 50.000 e de 500.000. Cédulas de 1.000.000 e 5.000.000 foram planejadas, mas nunca chegaram a entrar em circulação.

CRUZEIRO REAL

imagem de uma moeda de cinquenta cruzeiro reais

Novamente a alta inflação bagunçava a economia nacional e Itamar Franco, atual governo naquele ano, tomou como medida implantar o Cruzeiro Real que passou a ser utilizado em agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, com a nova mudança, mil cruzeiros passaram a valer 1 cruzeiro real (Cr$ 1 000 = CR$ 1).

Leia mais: Dólar alto é bom ou ruim? Entenda agora o impacto na sua vida

REAL

imagem de diversas notas e moedas pertencentes ao real amontoadas

O ano é 1994 e finalmente chega a vez do Real entrar em vigor! 

Nossa atual moeda foi lançada pelo no governo Itamar Franco, com ministro Fernando Henrique Cardoso, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Ainda no mesmo ano, Fernando Henrique elegeu-se presidente.

O plano Real foi o grande responsável pelo controle das taxas de inflação no Brasil.

Ele é, inclusive, ainda estudado em diversas universidades pelo mundo afora.

E a moeda que veio junto com ele foi um dos casos de maiores sucesso em política monetária.

Atrelado ao dólar no padrão R$ 1 = US$ 1 e a um brusco aumento na taxa de juros brasileira, o choque fez com que finalmente o país conseguisse ter uma moeda em que todos podiam confiar.

O real surge em 1º de julho de 1994; 2 750 cruzeiros reais equivaliam a uma Unidade Real de Valor (URV), que valia 1 real (CR$ 2 750 = URV 1 = R$ 1).

O Plano Real desde que foi implantado permanece em vigor!

Gostou do nosso breve resumo sobre as moedas que circularam no Brasil? Quantas você chegou a ver?

Conte para a gente se você tem alguma cédula ou moeda antiga guardada!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *