Blog > Capital de Giro: O que é, como calcular, gestão e importância
Empréstimo Pessoal - todas as financeiras num só lugar

Capital de Giro: O que é, como calcular, gestão e importância

Capital de Giro O que é, como calcular, gestão e importânciaVocê pode não falar sobre capital de giro todos os dias, mas esse termo contábil pode ser a chave para o sucesso da sua empresa. 

O capital de giro afeta muitos aspectos do seu negócio, desde pagar seus funcionários e fornecedores até manter as luzes acesas e planejar um crescimento sustentável de longo prazo. 

Em suma, o capital de giro é o dinheiro disponível para atender às suas obrigações atuais de curto prazo.

Para garantir que seu capital de giro funcione, você precisará calcular seus níveis atuais, projetar suas necessidades futuras e considerar maneiras de garantir que sempre tenha dinheiro suficiente.

Esse pode ser um assunto um tanto técnico, mas, como gestor, você precisa estar por dentro dessa importante dinâmica financeira. 

Então, fique com a gente e conheça tudo sobre capital de giro!

O que é o capital de giro

O capital de giro (CG) é uma métrica financeira que representa a liquidez operacional disponível para uma empresa, organização ou outra entidade (inclusive a entidade governamental). 

Juntamente com os ativos fixos, como instalações e equipamentos, o capital de giro é considerado uma parte do capital operacional.

O capital de giro pode ser encontrado através da seguinte fórmula:

CG = AC-PC (Capital de Giro = Ativo Circulante – Passivo Circulante)

O ativo circulante (AC) é um termo contábil que se refere a ativos que podem ser facilmente transformados em caixa. Por exemplo, o dinheiro é um ativo circulante, assim como a maioria das contas a receber.

Passivo circulante (PC) é um termo contábil semelhante ao AC. Passivo circulante é o valor de passivos que devem ser liquidados em dinheiro dentro de um ano (ou durante o ciclo operacional da empresa).

Por ser a diferença entre os dois (AC-PC), o Capital de Giro é uma medida de liquidez. 

Ele sinaliza se a empresa tem ativos suficientes que podem se transformar em dinheiro para pagar os passivos futuros. No entanto, não é um sinal perfeito.

Uma vez que a maioria das despesas e dívidas devem ser pagas em dinheiro, ter um capital de giro positivo mostra que a empresa tem a capacidade de pagar as despesas e dívidas que surgirão ou vencerão no curto prazo.

O capital de giro, no entanto, não garante que uma empresa possa pagar todas as despesas ou obrigações de curto prazo. 

Veja o exemplo de capital de giro a seguir:

Suponha que uma empresa tenha ativos atuais de R$ 100.000,00: R$ 20.000,00 em dinheiro e R$ 80.000,00 em contas a receber. 

A empresa também possui R$ 50.000,00 do passivo circulante

Isso significa que a empresa tem um capital de giro de R$ 50.000,00. 

Uma das suas contas a pagar vence amanhã, então, a empresa deve R$ 40.000,00 e tem R$ 20.000,00 em dinheiro, mas não pode receber os outros R$ 20.000,00 até amanhã. 

A empresa não pode pagar uma despesa de curto prazo, apesar de um passivo circulante positivo dizer que a empresa deve ser capaz de pagar a maior parte das despesas e empréstimos no curto prazo.

O montante do Capital de Giro não é garantia de que a empresa terá caixa suficiente para cada despesa, apenas indica que possui liquidez operacional.

Controlando os componentes do capital de giro

Controlando os componentes do capital de giroO capital de giro (CG) pode ser controlado pela alteração dos níveis de ativos circulantes e/ou passivos circulantes por meio de vários mecanismos.

Cada empresa tem demandas diferentes de quanto capital de giro (CG) precisa, mas todas as empresas preferem ter capital de giro positivo (lembre-se que CG = AC – PC). 

Ter um CG muito pequeno prejudica a capacidade de uma empresa de cumprir suas obrigações financeiras. 

É difícil pagar despesas ou dívidas que vencem no curto prazo

Ter CG demais também pode ser ruim porque significa que há ativos que não estão sendo investidos. 

Segurar muitos ativos de curto prazo diminui o crescimento futuro da empresa. Assim, gerenciar o CG para um nível aceitável é um dos trabalhos mais importantes da administração.

O capital de giro pode ser ajustado aumentando ou diminuindo seus dois componentes: o ativo circulante (AC) e passivo circulante (PC). 

Aumentar o AC ou diminuir o PC aumenta o capital de giro, e vice-versa. 

A gerência pode aprovar uma série de políticas para a gestão do CG, algumas das quais são destacadas abaixo:

  • Gerenciamento de caixa: identificar o saldo de caixa que permite que a empresa atenda às despesas diárias, mas reduzir os custos de manutenção de caixa. Dinheiro é um AC.
  • Gerenciamento de estoques: identificar o nível de estoque que permite a produção ininterrupta, mas reduzir o investimento em matérias-primas e minimizar os custos de reordenamento e, portanto, aumentar o fluxo de caixa. Inventário é um AC.
  • Gestão de devedores: identificar a política de crédito apropriada, como termos de crédito, que atrairá clientes, de modo que qualquer impacto no fluxo de caixa e no ciclo de conversão de caixa seja compensado pelo aumento de receita e, portanto, pelo retorno sobre o capital. 

O crédito concedido aos clientes (contas a receber) é um AC.

  • Gestão de financiamento: identificar a fonte apropriada de financiamento. Financiamentos de curto prazo (assim como financiamentos de longo prazo que vencem no próximo ano ou ciclo operacional) são um PC.

Ao ajustar esses quatro influenciadores primários em AC e PC, o gerenciamento pode mudar o CG para um nível desejável.

Importância do capital de giro (CG)

Importância do capital de giro (CG)O capital de giro (CG) é uma métrica importante para todas as empresas, independentemente de seu tamanho. 

CG é um sinal da liquidez operacional de uma empresa. Ter CG suficiente significa que a empresa deve ser capaz de pagar todas as suas despesas e obrigações de curto prazo.

As grandes empresas prestam atenção ao passivo circulante pela mesma razão que as pequenas: o capital de giro é uma medida de liquidez e, portanto, é uma medida de credibilidade

As empresas que querem tomar empréstimos emitindo títulos ou comprando papéis comerciais (um mercado de empréstimos de curto prazo para grandes empresas) acharão empréstimos mais caros se não tiverem capital de giro suficiente

Se a empresa for de capital aberto, o preço de suas ações poderá cair se o mercado não acreditar que possui um nível de solvência adequado.

Para pequenas empresas e startups — incapazes de acessar os mercados financeiros para conseguir grandes empréstimos —, o CG tem implicações ainda mais importantes. 

Capital de giro também pode ser descrito como a quantidade de dinheiro que uma pequena empresa ou startup precisa para permanecer em operação

As startups precisam prestar atenção ao seu CG porque representa a quantidade de dinheiro que elas precisam para manter o negócio funcionando até o ponto de equilíbrio (quando começam a obter lucro líquido).

Por um lado, o CG é importante porque é uma medida da capacidade de uma empresa de pagar despesas ou dívidas de curto prazo. 

Por outro lado, muito capital de giro significa que alguns ativos não estão sendo investidos a longo prazo e, portanto, não estão sendo bem aproveitados para ajudar a empresa a crescer o máximo possível.

O capital de giro é apenas uma medida da liquidez operacional de uma empresa. Não é a única medida, e certamente não é garantia da capacidade de pagamento de uma empresa. 

Uma empresa pode ter CG positivo, mas não ter dinheiro suficiente para pagar uma despesa amanhã. Da mesma forma, uma empresa pode ter CG negativo, mas pode ser capaz de ajustar parte de sua dívida em longo prazo, a fim de reduzir seu passivo circulante.

O CG é uma métrica importante, mas não é toda a história da saúde financeira de uma empresa.

Entendendo as necessidades dos negócios

Entendendo as necessidades dos negóciosO capital de giro é uma métrica financeira que representa a liquidez operacional disponível para um negócio. 

Considerado como uma parte do capital operacional juntamente com ativos fixos, como instalações e equipamentos. 

É necessário capital de giro suficiente para garantir que a empresa possa continuar suas operações e que tenha fundos suficientes para satisfazer a dívida de curto e longo prazo, além de cuidar das despesas operacionais futuras.

No entanto, o excesso de capital de giro pode acarretar um maior custo de capital. 

Uma empresa pode ser dotada de ativos e lucratividade, mas com falta de liquidez, se seus ativos não puderem ser prontamente convertidos em dinheiro. 

A gestão do capital de giro envolve o gerenciamento de estoques, contas a receber e a pagar dinheiro.

Calculando o capital de giro

Quando calculamos o capital de giro, pensamos em termos de capital de giro líquido, que é calculado como ativo circulante (AC) menos passivo circulante (PC), como apontado anteriormente. 

Esse é o valor comumente usado em técnicas de avaliação, como fluxos de caixa descontados. 

Se os ativos correntes forem menores do que os passivos correntes, uma entidade tem uma deficiência de capital de giro, também chamada de déficit de capital de giro. 

O ativo circulante e o passivo circulante incluem três contas que são de especial importância. Essas contas representam as áreas do negócio com o impacto mais direto:

  • Contas a receber (ativo circulante)
  • Inventário (ativo circulante)
  • Contas a pagar (passivo circulante)

Idealmente, uma empresa quer que as contas a receber sejam coletadas o mais rápido possível, a fim de ter o máximo de uso possível dos fundos. 

Por outro lado, uma empresa se esforça para adiar a liquidação de contas a pagar pelo maior tempo possível pela mesma razão. 

A porção atual da dívida também é crítica porque representa uma reivindicação de curto prazo dos ativos circulantes e muitas vezes é garantida por ativos de longo prazo. 

Tipos comuns de dívida de curto prazo são empréstimos bancários e linhas de crédito.

Inventário é um caso especial em que até gerentes não-financeiros precisam ficar ligados. 

Muito estoque disponível reduzirá o risco de uma empresa não satisfazer as necessidades do cliente, mas também pode reduzir a lucratividade. 

Um exemplo de redução de lucratividade seria na indústria de computadores, na qual os estoques perdem valor por causa da natureza do setor.

Lucro e liquidez

Lucro e liquidezEm qualquer empresa, grande ou pequena, há uma compensação inerente entre liquidez e lucratividade. 

As grandes empresas possuem recursos para ajudá-las a gerenciar essa troca, como um departamento de contabilidade, negociando poder com seus fornecedores ou acesso ao mercado de capitais. 

Para o pequeno empreendedor, no entanto, que muitas vezes é carente de recursos e não tem histórico operacional suficiente para garantir crédito adicional, gerenciar essa troca pode ser como andar na corda bamba. 

Considere o caso de um novo cliente para uma pequena empresa. Esse novo cliente tem o potencial de oferecer um enorme crescimento nas vendas da empresa, mas esse crescimento nas vendas será acompanhado por um crescimento subsequente dos custos variáveis

A empresa pode não ter os recursos, ou seja, capital de giro, para atender a esses custos variáveis que vêm com o aumento das vendas.

Abordagem de Longo Prazo

Reconhecer os objetivos mais amplos do capital de giro, bem como a forma como as organizações podem considerar uma perspectiva de longo prazo ao visualizar a utilização do capital de giro.

Planejamento a longo prazo

O capital de giro livre pode ser utilizado de várias maneiras, quando subutilizado incorre nos custos de oportunidade associados ao valor do dinheiro no tempo e as organizações devem usar o planejamento financeiro para garantir a utilização apropriada desse capital a longo prazo.

Enquanto o planejamento de curto prazo é predominantemente usado em relação ao capital de giro (devido à natureza de curto prazo dos insumos e produtos envolvidos), é razoável definir políticas e estratégias de longo prazo para incorporar mudanças no capital de giro na estratégia financeira. 

Os principais benefícios de alavancar o capital de giro são liquidez e rentabilidade.

Liquidez

Ao discutir objetivos de longo prazo, o ponto focal é a estratégia mais ampla (em oposição às táticas). 

Do ponto de vista estratégico, existe certa quantidade de liquidez que as empresas gostariam de manter a qualquer momento para garantir que possam capturar oportunidades externas no mercado. 

A disponibilidade de capital de giro facilmente acessível a qualquer momento permite que as organizações minimizem o custo das oportunidades perdidas e a regulamentação cuidadosa dos critérios estratégicos de capital de giro pode garantir que a quantidade apropriada esteja disponível.

Rentabilidade

RentabilidadeO outro objetivo mais amplo do capital de giro é a eficácia com que é utilizado durante um determinado período de tempo

Da perspectiva de longo prazo, essa métrica de lucratividade será um pouco diferente do curto prazo, ou seja, as decisões de rentabilidade do capital de giro circulam em torno de quanto deve estar disponível dentro de qualquer curto prazo para maximizar o retorno (em média) do capital de giro existente. 

Ao analisar as diferenças na disponibilidade de capital de giro em um longo período de dados históricos, a organização pode fazer estimativas aproximadas da quantidade ideal de disponibilidade de capital de giro que permite o crescimento ideal.

Apesar das vantagens potenciais do planejamento de longo prazo no capital de giro, ele ainda é, em grande parte, um campo de tomada de decisão de curto prazo. 

Geralmente, o capital de giro deve ser considerado dentro de um período de um ano ou menos, tornando-o mais frequentemente uma decisão a curto prazo.

Abordagem de Curto Prazo

Abordagem de Curto PrazoAs decisões relativas ao capital de giro são geralmente de curto prazo, uma vez que é a diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante.

Abordagem de curto prazo para o gerenciamento do capital de giro

O capital de giro é a quantidade de capital que está prontamente disponível para uma organização. Como resultado do cálculo do CG, as decisões relativas ao capital de giro são quase sempre atuais, ou seja, decisões de curto prazo.

Em outras palavras, o gerenciamento do capital de giro difere das decisões de investimento de capital — especificamente em termos de desconto e rentabilidade. 

O gerenciamento do capital de giro aplica diferentes critérios na tomada de decisão. As principais considerações são fluxo de caixa / liquidez e rentabilidade / retorno sobre o capital. 

A medida de fluxo de caixa mais usada é o ciclo operacional líquido ou o ciclo de conversão de caixa. 

Isso mede por quanto tempo uma empresa será privada de caixa se aumentar seu investimento em recursos para expandir as vendas dos clientes.

O ciclo de conversão de caixa indica a capacidade da empresa de converter seus recursos em caixa e informa o gerenciamento do risco de liquidez decorrente do crescimento

Como esse número corresponde efetivamente ao tempo que o caixa da empresa está amarrado em operações e indisponível para outras atividades, a administração geralmente visa encurtar o ciclo de conversão de caixa o máximo possível. 

No entanto, encurtar o ciclo cria seus próprios riscos.

Embora uma empresa possa até obter uma conversão de caixa negativa ao coletar de clientes antes de pagar fornecedores, uma política de cobranças rigorosas e pagamentos frouxos não é tipicamente sustentável. 

O objetivo do estudo e cálculo do ciclo de conversão de caixa é alterar as políticas relativas à compra e venda de crédito. 

Uma empresa pode alterar seus padrões de pagamento em compras a crédito e receber pagamento de devedores com base no ciclo de conversão de caixa. 

Se a empresa estiver em uma posição efetiva de liquidez de caixa, ela poderá manter suas políticas de crédito anteriores.

Conclusão

ConclusãoComo acompanhamos neste artigo, o capital de giro (CG) é o produto da subtração entre o ativo circulante e o passivo circulante

As empresas desejam ter um CG positivo, pois representa um indicativo de que a empresa tem ativos suficientes para transformar em dinheiro pagando despesas ou dívidas futuras.

O CG é uma medida de liquidez e não é uma garantia de que uma empresa pode pagar por seus passivos. 

E lembre-se: alto capital de giro nem sempre é bom. Pode indicar que a empresa tem muito estoque ou não está investindo seu excesso de caixa.

Agora que você conhece melhor como o capital de giro funciona, pode administrar melhor o seu negócio. 

E se você ainda não tem uma empresa para gerir, que tal contratar um empréstimo pessoal no Bom Pra Crédito e se tornar dono do seu próprio negócio? Realize o seu sonho!

 

By | 2019-07-08T16:12:24-03:00 27 de junho de 2019|